E dizia eu…

Acho que a minha alma não estava ali, saiu do corpo parar me “mirar” de fora.
Estava apenas o meu corpo e as minhas vontades que eram tantas !

Sentia-me encantada….. se é que ainda seria possível isso!
O buraco vazio que tinha em mim era tão grande e a tua subtileza disfarçada na tua habitual postura, preencheu-o na perfeição !
Nem me apercebi!
Foi sem contar, foi mágico, foi acontecendo!
Deixei fluir, fui deixando, eu gosto de sorrir, de conversar com quem saiba conversar!
Deixei andar, senti que estava a gostar, também te senti gostar!

Mas sou transparente demais, doce demais, entrego-me demais, tenho sentimentos a mais e falo sempre demais!
E todo esse “demais”para mim, é tao pouco ou quase nada, daquilo que leio nos outros e dos outros!

E dizia Eu ….

A minha simplicidade nunca segurou ninguém e a sensação de rejeição nunca criou empatia comigo, se pesar essa sensação, abro mão!
Já o fiz, não correu bem, abri mão … demorei sim, havia muitos pontos a ponderar… quando abri mão acordei um sonhador!
Houve um monte de desencaixes terríveis …
Um desencaixe destoa, um só, vários roubam-nos sonhos!
O que alimenta o desencaixe não será mais forte do que os meus sentires,
muito menos do meu prazer de sentir a magias dos gestos e dos sonhos,
jamais cegará a minha leitura de entrelinhas,
jamais tirará de mim o que guardo cá dentro.
Mas perdi, perdi uma parte da vida e grande parte dos sonhos!

Mas só perdi porque acordei um sonhador, não consegui cortar-lhe os sonhos logo no inicio, não seria justo e eu sou justa …
fui eu quem o acordou para a realidade e para não viver com o peso da sua dor … abri mão de mim, dos meus sonhos!

Fechada em mim, no meu canto, com o medo preso, lá abri um pequena brecha e tu ocupas-te tudo!
Como disse … pouco a pouco , deixei-me encantar! Eras demasiadamente expontâneo,
fascina-me “O Ser-se expontâneo”, por ser já tão raro!
E tão raro não ver Seres expontâneos perderem-se por aí !!! Afinal somos todos Humanos e errantes, não há excepções, que não haja ilusões…

A vida, os pormenores, as dores, as posturas, a forma de estar, a segurança que impões com a tua presença, o teu pensamento, os gostos, as fantasias , a escrita … tudo em ti apelava a mim!
E eu, humana … li-te e escrevi-me em ti!

E dessa vez, acreditei no que estava a sentir, não por medo, mas por amor a mim mesma!
O meu direito ao querer, as minhas vontades, os meus desejos e apetites !!
Persisti e insisti… coisa que não é normal em mim!
E dessa vez pensei … vive o momento,o teu, nunca em função do outro, chega de viver em função do outro !
Seja curto ou longo , vive !!

E eu vivo …. não nego que ainda tenho alguns pés atrás!!!!
Mas vou vivendo, vivendo-me e guardando o que conquisto!

©My Sighs 2017 #69Letras

Deixar uma resposta