Agridoce

Sinto cravado nos meus lábios o sal e o doce dos teus beijos.
Sinto-o, saboreio-o, derivo nesse sabor agridoce sempre que os meus olhos se cerram e abrem as janelas das minhas recordações.
Fazes de mim um homem novo, rejuvenescido, mas com as vontades de sempre quando os meus pensamentos tropeçam em ti.
Há algo mutante em mim quando o meu desejo de ti se suplanta à minha amargura de não te ter.
Como consegues?
Como fazes para estar em cada poro da minha pele, em cada ranger dos meus músculos, em cada pensamento, em cada vontade, em cada cheiro dos meus dias?
Como consegues invadir-me assim sem aviso, sem reservas, desta forma avassaladora que me consome e que me faz desejar cada pedaço do teu corpo?
Ah…. o teu corpo….
As saudades que eu tenho do teu corpo, da tua pele, das tuas pernas macias, dos teus pés de menina, do teu ventre que me inspira, da tua vulva que me enlouquece.
Ainda suspiro pelos teus orgasmos ofegantes, abundantes, pelos teus ais, pela tua voz a gritar em surdina o meu nome, ….ai….
Onde paras tu mulher de sabor a sal, com os lábios de mel e com o corpo de canela, polvilhado com pecado?
Volta…  sou teu.
#PSassetti
#69Letras 24/07/2017

Deixar uma resposta