Oiiiii cambada como vai isso??? Tudo fixe?

Cá estamos nós mais uma vez pra falarmos de cenas e BDSM e tal e coisa.

Esta semana vou fazer novamente um género de questionário a um amigo e praticante á semelhança dos outros questionários assim ficam com vários pontos de vista, pois somos todos diferentes e cada experiência é vivida de forma diferente.

De forma a manter anonimato vou chamar de “Bruno”.

Com que idade tomaste consciência que gostavas de dominação/submissão?

-Desde que me lembro tenho fetiche por pés desde os 5 ou 6 anos, tomou outras proporções por volta da minha adolescência onde descobri o meu lado mais submisso quando lidava com o sexo feminino.

Algo que mantive como segredo e só passado vários anos é que consegui ter coragem para desenvolver este lado submisso e fetichista interagindo assim com outros praticantes.

Tens muita dificuldade em encontrar Dominadora ou sempre foi fácil encontrar pessoas com gostos compatíveis?

-Pela minha experiência existem muito poucas dominadoras que realmente sintam e vivam o BDSM.

É um mundo muito egoísta e egocêntrico onde as pessoas se deixam levar pelos seus caprichos não tentando explorar e procurar conhecimento para evoluírem dentro do meio e como praticantes.

 

Dentro da BDSM o que gostas mais ou quais as práticas que te seduziram mais?

– Sou um Fetichista por natureza e sempre senti atração por este meio mas foi o fetiche por pés que levou o meu lado submisso procurar algo mais forte e que fizesse sentido para satisfazer o meus desejos, de tudo o que já pratiquei a entrega é sem dúvida o que mexe mais comigo, poder me entregar a alguém sem medos e sem limites.

Conta-me como foi a tua primeira experiencia com uma dominadora, foi como pensaste que seria?

 

Alguma vez sentiste receio por teres estes gostos?E desejaste que a submissão não fizesse parte da tua vida?

 

– Sim senti receio porque sentia-me desenquadrado da sociedade e da realidade que vivia, mas após o aparecimento da internet tudo mudou comecei a pesquisar a procurar informação e a tentar encontrar pessoas com os meus gostos e desejos.

No que diz respeito á submissão não me vejo a ser de outra maneira, eu sem este meu lado não era a mesma pessoa, custou um pouco a deixar sair este meu lado que sem ele não era eu próprio.

 

Eras capaz de misturar D/S com a tua vida baunilha? Ou achas que são coisas que a longo prazo acaba por ser incompatível manter ambos estilos de vida?

– Sempre me questionei sobre isso e por experiência acho difícil uma relação Baunilha vir um dia a dar em uma relação D/s saudável ao contrário já acho que tem tudo para dar certo porque as pessoas se conhecem num registo diferente onde a confiança e os limites, gostos e taras são postos á prova e estão em cima da mesa.

Diz-me tens algum conselho que queiras dar a quem está a querer ter o BDSM como estilo de vida?

-Que se conheçam bem a si mesmos, que aprendam e deão a oportunidade de conhecer verdadeiramente os outros sem julgamentos ou juízos de valores.

Que vivam e experimentem novas sensações, cheirem outras imagens e vejam outros sons.

O BDSM é mais que dar e receber uma palmada.

 

E ficamos por aqui, quero agradecer ao Bruno a sua participação e já sabem 69´nrs aproveitem a vida e não deixem para amanha o que podem fazer hoje.

Aqui a Kat vai pra piscina que está de férias.

A ver se apanho uma corzinha pra não parecer um zombie.

Beijos no tornozelo das meninas e um calduço aos gajos.

©MissesKat #69letras

 

Deixar uma resposta