vontades Premeditadas.

 

Era só um quarto, com duas camas.
À pressa, não tinha sido mau.

Feitio difícil o da menina…
Até qual a cama teve de ser discutida. Se ressonar de novo, vai me ouvir!!!
Um gajo a querer ser cavalheiro…
“Bahhh!!”

Tomei o meu banho e procurei uma posição confortável , naquela cama desconhecida.
“Estranho sempre as camas…
O teu corpo pelo contrario é me bem familiar…”
Pensei…
Já te tinha despido quase tantas vezes como mordido o lábio ao “sentir” o sabor dos teus lábios…
“Merda de fome…!!!”
Estava na fase de bipolaridade…
Como me conheço…
Se seguisse as minhas regras de respeito, terias uma noite descansada. E eu de raiva de mim mesmo.
A faceta que me fazia as mãos aquecer com a vontade de “acarinhar” essas nádegas palpitantes e estudar os locais onde te poderia possuir de várias formas , começou a ganhar a guerra…
O ser espontâneo era para os momentos ternos…
Aquele que se apoderava de mim, é calculista. Planeia todos os passos.
Despe antecipadamente….
Tem todas as vontades ,em ti, premeditadas…
“Fica certa que vais conhecer o frio da parede nas costas!!
Tens os cabelos certos…
Mmm… As nádegas…” Pensamentos delirantes de vontades tomavam conta da minha mente…

Ouvi os teus passos descalços enquanto davas uma corrida para o chuveiro.

Peguei no comando e tentei encontrar algo que me distraísse daquele som da água a escorrer no teu corpo…
“Merda…Nada… “
“Vai ser uma noite em branco…”
A porta rangeu…
E os mil pensamentos desapareceram…
Senti como se cordas houvesse na cama…
O corpo a pedir para se mover…
Preso à minha ordem…
A vontade a lutar contra a razão…
Aquela exígua toalha…
O cabelo solto…
“Por favor!!! É demais para mim…”
Olhaste por entre os cabelos , como se tivesses escutado os meus pensamentos…
Senti que me lias…
Levantei da cama…
Lentamente …
Sem da tua face tirar os olhos…
Aproximei-me…
Sabias ao que ia…
Levantaste a cabeça como que oferecendo os teus lábios ávidos dos meus…
Estanquei em frente a ti…
O calor do teu corpo parecia aquecer o meu…
À distancia de um suspiro…
A minha mão roçou a tua face…
“Vou te beijar!! Tocar…
Ver- te nua…”
Disseste qualquer coisa…
Até hoje não sei o quê…
Os meus sentidos estavam todos acordados, menos a capacidade de entender meras palavras…
Gestos …
Cheiros…
Gemidos…
Olhares…
Tirei as tuas mãos para que a toalha se soltasse e percebesses que a tua beleza não tinha nada de errado aos meus olhos…
“Devagar…
Temos tempo …
Guardamos as vendas e algemas para outro dia…”

©Read Mymind 2017 #69Letras

Deixar uma resposta