Finjo…

Finjo não reparar, mas escondo em mim este anseio crepitante de te ter.
Vivo como que numa ânsia encenada que me corroí as vísceras, e que me expõe sem apelo em chagas flamejantes nos planaltos perdidos de afrodisia.
Estou num cárcere. Sinto-me preso.
Sinto que é teu este sangue que bombeia em mim, em ebulição, ao sabor da volúpia.
Sinto-me teu, só teu, neste sentimento que encerro a ferros no meu peito, e que escondo do mundo dentro das muralhas imaginadas das minhas vontades.
Finjo ser forte,
Finjo não reparar no rosado dos teus mamilos, ou na forma como se precipitam quando nos cruzamos.
Finjo não reparar no dilatar da tua vulva, ou no calor que ela profere, nem tão pouco na forma como me olhas com esses olhos de menina.
Finjo ser livre, engano-me e exploro como posso o teu corpo imaginado, na solidão encenada do meu quarto.
#PSassetti #69Letras 06.06.2017

Deixar uma resposta