Antes arriscar o perder que para sempre quase nada ter.

Saudades de te olhar…
De te desejar.
Despir com o olhar.

Nem o tempo me fez perder
aquele sentimento de querer.
De quase ter…
Sempre tão perto…

Sinto que se te tocar
irei te despertar.
Como dois átomos que colidem!!!

Saudades do sentir da vertigem que em mim despertas.
Do teu olhar que me chama…

O mesmo que me trava!
Um sinal de…
Não avances mais…

Perco tudo se o fizer?
E então?
De que vale o pouco quase nada??
Um monte de borboletas em casulo…

Apertadas no meu sentir como o meu desejo por ti
enclausurado no tecido…
De que serve?

Para nada!
Antes arriscar o perder
que para sempre quase nada ter.

Deixa olhar no fundo dos teus olhos!!
Enquanto os meus lábios sentem a fome dos teus.
E a minha face que aguarda a
nega marcada.

©Read Mymind 2017 #69Letras

Deixar uma resposta