Pergunto-te a ti que sei que nunca me responderás. Como te atreves?!

Como te atreves a provocar em mim toda esta vontade de ti… a desafiar todo o meu corpo para
esta loucura???
Fizeste renascer em mim uma pessoa até agora adormecida pelas contrariedades da vida.
Acendeste dentro de mim uma chama que só contigo consigo apagar mas que aumenta em cada
presença e em cada ausência.
Transformaste-me em constantes erupções de quereres, de prazeres… Conseguiste buscar o
melhor e o pior em mim. Nem eu me conheço mais. As noites passo a delirar contigo e os dias a
sonhar connosco. Um terramoto de emoções com magnitude descontrolada.
Tornaste-te no jogo perigoso e sem regras que quando pensava estar a ganhar fui deitada por
terra. Completamente KO. O jogo que eu nunca quis jogar. E que agora quero mas não posso
mais.
Vieste, viraste tudo do avesso. O meu corpo, a minha alma… e iludiste e desiludiste.
E agora, foste, assim, sem aviso, sem tempo para despedidas. Nem um beijo ou abraço.
O que se passou ainda não entendo. Parecias tanto querer-me. Os teus olhares desafiadores. O
teu toque quente e desconcertante.
Mas foram as palavras…
E deixas este vazio… e deixas ainda mais vontade… e deixas em mim uma ansiedade que sufoca.
E escrevo para ti que sei que me lês. E pergunto-te a ti que sei que nunca me responderás.
Como te atreves?!

SillyMe


Deixar uma resposta