Fire meet Gasoline…

É impossível esquecer o dia…Todas as vezes me causa um sorriso…
Mas hoje estou aqui sentada com frio e quero aquecer a alma, revisito os momentos, todos os momentos…

Eu era o fogo, crepitando dentro, ansiosa por fugir para fora do corpo, confinada a uma sala de portas seladas. Tu eras a gasolina, estavas estático, esperando ser aceso para espalhar a tua energia, ansiando por uma explosão, mas morno, e estavas ali na sala ao lado, onde te detiveste…

Senti o teu cheiro, desejei-te, quis ser tua, tive medo de arder uma vez mais em vão…

Mas precisava daquilo, não fazia ideia do quanto… As labaredas ardiam-me nos olhos e lançavam fagulhas, chamando por ti que acordaste e foste chegando perto, curioso com o calor que emanava por trás da porta incandescente.
Já não sei bem quanto tempo estivemos naquela dança de cortejo, mas tu tiveste a coragem, pousaste a tua mão na maçaneta e rodaste… Colei os meus lábios aos teus… Porra!

Era aquilo! Finalmente era aquilo… Eu ardia na medida certa e tu explodias por dentro ao meu toque!

Como fogo, guloso, espalhei-me por ti e incendiei-te, eu sei, a culpa foi minha… Mas era perfeita a nossa sinergia, era a perfeita chama que brilhava de nós…

Consumi-te, devorei-te, alimentei os meus desejos de caos em ti e tu deixaste…

Espalhaste-te por mim e ardeste comigo… Já não sei onde é que eu começava e onde acabavas tu, tudo era calor, por dentro e por fora… Dançámos, incendiando tudo à nossa volta… Oh, como os nossos corpos fundidos bailam… Os movimentos são graciosos, as linhas enchem o olhar da alma… Mas como todo o fogo, e à falta de vendaval, acalmamos. Deixamo-nos ficar ali nas brasas, nos resquícios da chama, repousando, respirando… Quis fugir, quis essencialmente convencer-te a fugir, sou fogo, sou rebelde, difícil de controlar… Mas tu ficaste, seguraste-me junto ao peito e eu soprei, reacendi-nos, fiz tempestade num copo de água e o fogo continuava selvagem…
E como é bom ter este calor que queima a cara e nos derrete em sorrisos, que deleite é este de arder no inferno de prazer… Este arrepio do vento que vem e deflagra e consome acrescentando…

É isto… Fire meet gasoline…

Deixar uma resposta