Valentino, sê meu.

a

Que manhãs!
De moleza, ternura e preguiça…
Tenho expulsar toda esta vontade de nada fazer para fora de mim!
Adoro esticar o esqueleto e sentir toda a pressão de uma noite bem passada a sair suavemente …
Acordar e não te ver é tortura sabes disso? Adoro-te demais para não saberes isso.
És calor entre a brisa fresca da noite que corre entre nós, o meu fresco quando me elevas aos 100°C.
Sem dúvida, o meu peso, conta e medida…tudo o que necessito.
Sei que sabes.
Peço-te que não te esqueças.
De longe o melhor que me rodeia…para além destes lençóis pretos que me enrolam o corpo estourado de uma noite perdida de amor, que ainda tem a forma desse templo que tanto contemplo, o cheiro e o toque.
Meus Deus!
O toque, a suavidade e brutalidade selvagem de um verdadeiro homem…
Continuo preguiçosa para sair desta cama…
Encurtas a distância do dia, com as tuas atitudes, o teu ternurento ser, e querido pensamento…que em todos os momento se relembra de mim.
És deveras o melhor de mim, o melhor para mim.
Serão sempre poucas as palavras para te agradecer, serão sempre poucos pequenos almoços na cama para te mimar tanto quanto me mimas a mim.

Valentino, sê meu.
Neste dia, e todos para o resto da nossa vida.

 

Krishna #69Letras

Deixar uma resposta