Passeios por prazer

| Maiores 18 | Conto Erótico |

 

Tu brincas com o fogo, foi algo assim que te disse quando fomos beber café, para a praia de Carcavelos, fizeste de uma forma quase hipnótica, aquele movimento de levantar a pouca saia que sobrava, e me deixaste vislumbrar um pouco, deixaste-me meio que desarmado, numa praia, que raio poderia eu fazer, aquela hora, ainda se via bastante gente a passear, e tive assim uma ideia relâmpago, depois do café, iria passear para perto do Forte, bebemos o nosso café tranquilamente, enquanto a minha cabeça imaginava o que se passaria a seguir.

Foi já ao anoitecer, que decidi que estava farto de esperar pela sobremesa, desafiei-te a caminharmos um pouco por ali, e tu sem dares conta, penso eu, alinhaste, saímos do café e encaminhei para o forte, para a parte das rochas, e tu perguntaste para onde te levava, uma vez que estavas com sapatos com salto, e eu disse que era já ali ao lado, não sabia bem para onde ia, apenas queria um sitio bom para estar contigo abrigado das vistas de terceiros, lá acabei por encontrar um sitio, mais ou menos escondido, e lá chegados, encostei-te na parede do forte e dei-te um beijo, deslizei a mão pelas pernas acima indo encontro ao que desejava, sei que te apanhei distraída, pois não contavas que estivesse com aquela fome toda, e no momento em que as minhas mãos subiram as tuas pernas, puxando suavemente a saia até à cintura eu desci, e fiquei de joelhos de frente para o teu sexo na minha frente, e não perdi tempo nenhum, atirei-me à obra com toda a minha convicção, creio que só despertaste para o que estava acontecer, já eu estava a trincar-te o fio dental, tentando desviar o mesmo da minha frente.

Foste boa rapariga e lá me deste uma pequena ajuda, e me deixaste provar-te o sexo recém depilado, aquele pele macia, em contacto com a minha língua, que delicia, sorvi o teu sexo, beijei o teu clitóris bem lentamente, ainda forcei um pouco para abrires mais as pernas para eu poder saciar a minha vontade de te ver, e de te sentir, tu controlavas a zona e eu dedicava-me a sentir o teu sabor na minha boca, e deu para perceber pelos teus gemidos controlados, que estavas a gostar do momento, pelo que não parei com o que estava a fazer, ainda que estivesse excitado à algum tempo.

Quando te senti no ponto, sentei-me numa rocha, abri o fecho das calças, e puxei o meu sexo duro para fora, estava desejoso de te sentir a deslizar, puxei-te para mim, e logo ali, sentei-te no meu sexo duro, e o gemido deixou de ser silencioso, foi mais audível, mas nem liguei, queria possuir-te ali mesmo, peguei-te nas ancas e movimentei-te a meu belo prazer, que gozo muito bom, estar ali a ouvir as ondas a quebrar, e tu a gemeres de gozo, e eu também, por fim, já não me deixavas controlar-te e quiseste tu fazer-me rebentar tal e qual canhão do forte, e nessa condição, não resisti muito mais, mas nem tu resististe quando soltamos um valente gemido mais alto provocado por uma explosão de prazeres acumulados.

Compusemos as roupas, e fomos embora, com a promessa que tinha aberto a porta do forte, de seguida iria ser bombardeado estoicamente por ti, enquanto tivesse capacidade de resistir.

 

NMauFeitio #69Letras

Deixar uma resposta