Navegar sem rumo

Sei que é tempo de seguir em frente…. Já lá vão mais de dois anos…. Talvez esta solidão que me afecta o discernimento me faça sentir saudade…. Serei um triste fado acompanhado por uma melodia melancólica num dia ébrio…. Preciso de soltar amarras deste navio que viu o tempo passar sem nunca ter entrado numa doca seca…. Meto água por todo o lado…. Já não tenho energia para tirar mais agua que insistentemente continua a entrar…. Por mais remendos que possa colocar…. Já não deslizo pelas borrascas mais implacáveis como um veleiro resistente…. Sinto-me ancorado num cais abandonado entregue na minha própria paz…
Hoje acordei estranho…. Sim hoje…. Sábado…. Revirado na minha cama desnudado como habitual… Os gatos aninhados a meu lado…. Acordei com um cheiro de saudade… Já lá vão bem mais de dois anos em que esta solidão se me aperta o coração…. Sei que estas bem e feliz… É importante para mim saber-te bem…. Eu continuo a tentar continuar a viver…. Não sei para onde vou…. Como disse…. Sinto-me estagnado num cais abandonado… As amarras que me seguram já não muito fazem sentido nesta vida que me sobra… Estremunhei a tua ausência… Como se tivesse sido ontem que me deitei contigo a meu lado… Que te dei o beijo de boas noites…. O cheiro dos teus cabelos como que hipnóticos que ainda hoje me toldam o pensamento…. O sorriso dos teus lábios ali a meu lado…. Amada… E amado…. Hoje reina o amor…. Um amor de dois felinos a um barco velho e enferrujado…. As palavras outrora intensas e assertivas eram diálogos de amor…. Hoje são ecos de portas mal fechadas em porões vazios… Falta-me a carga…. Falta-me o amor…. Falta-me o sexo…. Hoje sou simplesmente um homem…. Um grão de areia num deserto imenso… Mas este navio está velho… Está cansado… Mas ainda tem viagens para fazer…. E quando as borrascas regressarem de novo… As ondas violentas irão bater neste casco desgastado…. E lutarei mais uma vez, vaga através de vaga…. Sinto saudades…. De amar…. Do amor…. Sinto saudades…. De navegar….

Carpe Diem

#NMauFeitio 69 Letras® 25.02.2017

Deixar uma resposta