Nada como despertar com apetite

| Conto Erótico | Maiores 18 |

 

Dormir, descansar o cérebro e o corpo dizem uns, recarregar os sistemas dizem outros, as variantes são bastantes, mas nada substitui o descanso, aquelas horas sagradas de descanso que todos precisamos, pena não se poder viver essas horas que perdemos a dormir, este mundo tem tanta coisa para ser explorada que por vezes dormir seria um desperdício.

Acordei ao teu lado, estavas ali, junto a mim, estiquei-me e constatei que tinha algo a mais, talvez tivesse tido um sonho erótico, não sei, mas sei sim, que estava com a tenda armada, e que tenda, tu ainda dormias, ali mesmo ao meu lado, apetecia-me acordar-te mas sei como é o teu acordar, se mal acordada, cai o carmo e a trindade, pelo que optei pela técnica sacana, se devemos acordar uma mulher, porque não acordar ela com uma pequena vontade de exercício matinal, pelo tal deitei-me de lado, com as pontas dos dedos percorri os teus mamilos bem devagar, estranhamente dormias e os mesmos respondiam ao toque, e a visão era deliciosa, deslizei a mão quase sem te tocar corpo abaixo, deslizei a mão pelo teu ventre e muito suavemente poisei a mão sobre o teu sexo, muito levemente toquei na tua pele, nos lábios sedosos, mexi devagar, e fui brincando, lentamente, até sentir que pronto, estávamos a chegar a algum lado.

Por fim, acordaste, estremunhada como habitual, mas mais calma, deixaste-me continuar a brincadeira, bem como ainda me fizeste a vontade ao separar mais as pernas para poder brincar com  ponta dos dedos no teu clítoris, que já dava sinais de actividade, beijei-te, nem te deixei falar, mordisquei o teu lábio superior, desci às tuas orelhas, beijei e dei uma dentadinha, sei que isso, em ti, é como chegar com um fosforo a um rastilho, continuei pelo teu pescoço, tudo bem devagar, até chegar ao teu peito, deixei a minha barba deslizar pela tua pele, até sorver os teus mamilos rosados nos meus lábios, os dedos continuavam a passear-se, sem entrar no paraíso perdido, continuei a descer a minha face pela tua barriga, era giro, a barba deslizava pela tua pele e tinhas arrepios, continuei, até chegar ao fruto do meu desejo, pequenos beijos primeiro na pele, pequenas dentadinhas, e depois, degustei o teu sexo vorazmente, estava tão bom, tão delicioso, que não me contive, voltei a subir pelo teu corpo acima, e fiquei em cima de ti, apontei para o que queria e atirei-me de cabeça, a mesma rapidamente se encaixou na perfeição entre as tuas pernas, no teu sexo quente e sumarento.

Que gozo que me estavas a dar, que boas sensações, que despertar magnifico, cruzaste as tuas pernas nas minhas, controlando os meus movimentos, beijamos ali, brincamos um com o outro enquanto os nossos corpos lutavam pela satisfação, era linda aquela imagem de nós os dois a ter aquele momento vibrante, beijos, mil, caricias, dentadinhas, tudo o que poderia ser, foi, até chegar o prazer regado em abundância, corpos crispados de prazer, sons mil, vontades saciadas, vozes desgastadas.

Tombamos na cama, cansados, satisfeitos, mas não saciados, dentro de momentos iria recomeçar tudo novamente.

 

NMauFeitio #69Letras

 

Deixar uma resposta