Mulheres, não se anulem!

Uns bons anos nos separam e aquela celebre frase que diz “às vezes, não acontecer aquilo que desejamos, é um fantástico golpe de sorte”, faz todo o sentido contigo.
Não penses que te estou a escrever de novo, não estou! Estou a escrever para outras mulheres, para que não deixem nenhum homem fazer com elas o que fizeste comigo.
Tu querias uma bonequinha, feita à tua medida e eu na inocência própria da idade, deixei…
Eu fazia tudo para te agradar! Eu deixei de ser quem era, para ser um modelo daquilo que desejavas.
Eu deixei de gostar de mim, para gostar daquilo que tu querias fazer de mim. Eu suportei o que não queria porque era o que tu querias.
Fizeste-me crer que era tudo amor. Tudo por amor. E que por amor tudo se faz. E eu fiz, eu deixei, eu perdi-me em mim própria. Eu deixei os meus sonhos morrerem, para viver os teus.
Eu dei tudo de mim, em troca de nada. Tu só querias mais um troféu! Mais uma gaja a fazer tudo por ti porque isso te fazia bem ao ego. Eu na minha ingenuidade achava que isso te deixava feliz, mas não, só alimentava o teu ego.
E o que restou de mim, depois de ti?
Nada… Apenas um corpo cansado, marcado pelo esquecimento, cheio de feridas que ainda hoje não sarei… Destruíste o meu amor próprio com uma pinta do caraças, deixa-me que te diga!
Passados muitos anos, eu consegui cicatrizar muitas dessas feridas. E sabes porquê?
Porque encontrei o verdadeiro sentido do amor. Encontrei alguém que me aceita como eu sou, que me ensinou a gostar de mim outra vez e que me fez amar o meu corpo tal como é.
Com ele eu percebi que posso ser eu, mesmo eu! É tão libertador… Com ele eu aprendi que amar é sempre uma coisa que se faz a dois e não um pelos dois.
Esta é a minha mensagem a todas as mulheres, a que aprendi contigo… Nós merecemos sempre o melhor, nunca menos que isso. O amor não pode ser nunca desculpa para nos anularmos… Nunca, mas mesmo nunca! Precisamos de alguém que nos complete e não que nos anule!
Foi mesmo um fantástico golpe de sorte…

Raio de Sol | #69Letras

Deixar uma resposta