Meu achado

Lembro-me de estar a falar contigo enquanto saboreavas o café que te sugeri e de não acreditar que estavas ali, eras real, e me fazias sorrir com a tua voz tanto quanto com as tuas palavras, essas que haviam mantido os dias anteriores deveras interessantes. Se cheguei ali sem expectativas, os primeiros cinco minutos elevaram-nas ao céu.

Recordo a vontade de provar a tua boca, de ver o que a roupa escondia, de querer sentir a plenitude do calor que emanavas…

Já to disse mas volto a dizer… És um achado… Deleito-me no teu olhar, no sorriso que me ofereces e que conheço como meu, como nosso…

Basta uma palavra tua para me acender… Se me tocas incendeio… Quero-te e sabes disso, anseio-te e a minha satisfação é escrava das tuas vontades, dos nossos tempos. Toco-me, fecho os olhos e vejo os teus abrirem-se para mim depois de me sacudires a alma do corpo com essa feitiçaria que operas em mim… Abraço-me buscando réstias do teu cheiro, do conforto da tua pele colada na minha…

Adoro que não tenhamos pudores e que ainda assim me beijes com ternura. Adoro que me atices com palmadas bárbaras e que derretas sob o meu toque no corpo que adoro venerar enquanto possuo…

Anda… Quebra este jejum, esta privação de gratificação… Anda…

#VickyM

#69letras

Deixar uma resposta