Mais uma vez um serão juntas

M18

Mais uma vez um serão juntas.

Não sabemos bem…por vezes éramos cão e gato outras vezes combinávamos como um gelado combina num corpo quente.
Temos sempre assunto, sempre.
Nem que seja a martirizar e rogar pragas a quem não gostamos, não interessa ! Que há sempre assunto há e o resto? É conversa!
Hoje depois de umas horas de trabalho, decidimos jantar, o que trouxemos de casa…mais ela porque era a vez dela de trazer. Resumindo os dotes culinários dela? Pizza de microondas. para esta menina o tempo escasseava em casa. Nunca vi coisa igual…
Não interessa. O tema hoje era interessante… ia ser e ainda não sabíamos.
No meio da pizza e da água falávamos sobre os nosso tempos de escola…lembram-se dos vossos?
Chegámos a conclusão que já no tempo de escola éramos umas putinh@s.
Autênticas!
Oh cruzes ! Partilhávamos histórias dos nossos namorados, das pancadarias que dávamos e recebíamos por causa desses meninos. Não consigo parar de rir. Nenhuma de nós, é ou alguma vez foi afortunada.
Crescemos em sítios complicados, mas com uma família de ouro.
Miúdas simples e despercebidas sempre fomos.
Por pouco tempo, até a vida biológica nos dar todos os nossos atributos.
Desde de cedo que o nosso génio era doido varrido…apenas na altura não nos apercebemos.
Podíamos ter ficado pelas loucuras de jovens mas não. A adolescência levou a melhor de nós e para arrematar veio pré “adultice”(desculpem-me a palavra inventada mas não encontro palavra que se encaixe aqui melhor que esta).
A nossa cabeça estava oca sem dúvida…
Desde das bebedeiras, às saídas desenfreadas sem destino, ao fod3r por fod3r era sempre em frente.
Separadas por uma ponte, somos muito idênticas e só há pouco tempo é que reparamos.
Normalíssimo?
Estar com três na mesma noite.
Foder com o irmão do melhor amigo.
Os gajos mais velhos deixavam qualquer uma doida.
Os perfect smiles!
Todos eles na nossa vida tiveram um papel importantíssimo.
Desde do policia, ao bombeiro.
Do sr tropa ao vizinho simples.
Com uma linha de pensamento tão ténue, não queríamos saber. Queríamos era levar com ele.
Oh bela juventude… que não foi há muito tempo…
Rimos em lágrimas, a pensar nas baboseiras que fizemos, afirmando que repetiríamos tudo outra vez.
E todos os arrependimentos que poderíamos ter… vazam num instante, apenas porque nos lembramos do quanto bom foi!
Enroladas em mantas e almofadas a aparar a nossa consciência soltamos altas gargalhadas.
Hoje, como senhoras put@s.

Krisnha #69Letras

Deixar uma resposta