Juntos formamos uma paleta de todas as cores.


Foi assim que tudo começou…
Com uma troca de olhares,
imenso e profundo como o horizonte que o perdemos de vista.
Místico, diria.
Alguma timidez,
com rostos rosados, sorrisos com intenção.
Troca de mensagens que as mãos lançavam mais depressa que a própria razão, a quererem chegar primeiro para nos tocarmos um no outro…
Foi assim que tudo aconteceu…
uma insinuação,
um gesto atrevido,
um decote a espreitar com malícia, um toque sinuoso, cheio de apetites.
Os corpos tocaram-se, encaixaram-se, como se já tivesse existido um passado.
Sentiram-se arduamente,
e desde esse momento,
deixou de haver paz nas nossas mentes…
só ânsias…
A capacidade de lermos,
nos olhos um do outro, desse impulso pelo prazer saciado,
foi sublime!
Um desejo brutal, carnal, com vontades mordidas, arranharmo-nos um no corpo do outro,
entre gemidos de prazer.
Luxúria!
És a causa dos meus impulsos libertinos, tens a capacidade de
condicionar os meus instintos vitais.
Descobri contigo o meu lado perverso…
Quase selvagem,
Somos fogo e chama…
És o combustível desta paixão de prazer…
Iluminas a minha alma e danças com os meus demónios, conheces-me por dentro e por fora…e sabemo-nos de cór…
Juntos formamos uma paleta de todas as cores!

Preciso de ti e agora,
de acalmar estas borboletas, serenar esta ansiedade dentro de mim , que transborda…
penso nos nossos “momentos” e tenho o incessante desejo de te possuir, aqui e agora…
Desejava ser o teu primeiro cigarro a tocar os teus lábios… a incendiar esse prazer de boca com boca.
Ser o orvalho da manhã no teu corpo… como as gotas dos nossos suores!
Hoje largava tudo e dava-te aquele abraço, sabes?
Não, não sabes…porque nem eu sei, estou fora de mim!
Aquele abraço com alma, aquele que toca dentro e ativa uma efervescência sanguínea.
Que diz tanto, que diz muito, um abraço que parece horas…
Largava tudo e sequestrava-te. Depois colocava-te bem juntinho a mim e perdíamos o tempo, saíamos de órbita…
E nos perdíamos nos nossos momentos, nos perdíamos um no outro.
O teu ombro seria onde semearia os meus beijos, o meu peito, o teu consolo onde colocarias o teu rosto e choravas o teu prazer por mim…
Vem, quero que me agarres suavemente e me encostes contra o teu peito, descobre os meus ombros e os meus seios, crava-me de beijos, provocando arrepios na minha pele.
Invadindo a minha alma.
Quero permanecer ofegante contigo até cair a noite, mas tu e eu, sei que iremos flutuar…

MissLost #69Letras

Deixar uma resposta