Carnaval no Condomínio 69

TEXTO ERÓTICO M|18 ? ? ?? ? ?
Acabada de chegar de viagem, dirijo-me para o condomínio. O táxi pára à porta.
Olho para o condomínio e lembro as saudades que tenho deste meu espaço, dos meus amigos e vizinhos.
As noites de tertúlia, as nossas festas inesperadas. Sorrio.
Meu coração dispara, ansiosa de os voltar a ver.
Ia colocar a chave no portão para entrar, sou abalroada por uma menina-mulher loira, que só me disse:
– Desculpe, estou atrasada.
Dou uns passos mais à frente aparece-me um homem alto, careca com uma expressão de mau feitio..
Até me coloquei de lado para ele passar.
Chego à porta do edifício e choco de frente com um homem que nunca tinha visto no condomínio, sendo este a terceira pessoa que não conheço.
Que raio se passa aqui???!! Estou quase um mês fora e…..
Por instantes esqueci-me que tinha esbarrado com alguém, quando vou para pedir desculpas, ele antecipa-se.
Olho-o para aqueles olhos cor de chocolate, o tom de pele moreno e aquela barba, sinto o cheiro inebriante do seu perfume.
Desvia-se para me deixar passar e pergunta se preciso de ajuda. Respondo negativamente.
Avanço em direcção ao lance de escadas e a porcaria da roda da mala fica encalhada no degrau, fazendo-a cair, provocando um estrondo no hall.
Faiscando palavrões mentalmente ia levantar a mala, ao agachar senti as meias rasgar. Fod@-se! Já pareço a Steel.
Joguei a mão à pega da mala e senti o peso de uma mão suave, quente na minha.
O meu corpo meteu-se logo em alerta. Aquele toque mexeu comigo. Com um sorriso malandro disse-me:
– Parece que afinal precisa de ajuda. Pertence ao condomínio ou vem de visita? Para que andar vai?
– Costuma fazer assim tantas perguntas a estranhos? – Respondi-lhe revoltada comigo mesma.
– Quando vejo uma mulher bonita, é difícil não perguntar ou até mesmo resistir.
-Pois então contenha-se. Eu moro aqui no rés-do-chão.
Retirei-lhe abruptamente a mala da mão e subi os dois degraus e enfiei-me em casa.
Nem tinha largado as coisas, tocaram-me à porta. Já ia barafustar, quando vejo a Steel com um sorriso de malandra e diferente, mas em quê?
– Olá minha querida, bem me parecia que eras tu. Estás bem? Gostas da minha nova cor de cabelo? Sabes que temos logo uma festa Carnaval?
– Eiii!!!! Calma! Respira miúda. Deixa-me aterrar primeiro.
A Steel com calma lá me explicou o que se iria passar nessa noite, os novos inquilinos, dos quais já me tinha cruzado. Pedi-lhe para me deixar acomodar e que às 20h estaria no salão do condomínio.
Tomei um duche e relaxei um pouco.
Como sempre nunca sabia o que vestir e então baile mascaras no Carnaval. Só mesmo coisas das meninas.
Dirigi-me ao salão, já ouvia vozes e musica.
Mal entrei, tudo se silenciou. Fiz o meu sorriso malandra, afinal surtiu efeito o fato.
Decidi mascarar-me de coelhinha da Playboy! Uma bandolete na cabeça com umas orelhas de coelho cor de rosa. Sim, ficavam-me gigantes mas o que interessava era o fato estar uniforme e completo!
Dou uma mirada ao espelho e UAU!!! Steel! Estás uma coelhinha de se lamber as vistas! Excepto… raios! O meu pompom? Quem me roubou o pompom que faz de rabo de coelhinha? Assim estou incompleta…
Ora bem! Pensa Steel! Mete a massa com 50 tons de cinzento a trabalhar, mulher! Quem me poderia roubar o rabo…?
Passaram 2 longas horas de exercício mental esforçado.
O baile de Carnaval já tinha começado e eu sem pompom no rabo!
Vou pela lógica mais provável! Quando não se tem ninguém para se desconfiar, desconfia-se do último vizinho a entrar!
Bato à porta do Psasseti!
– Olá Miss Steel!
– O que fizeste ao meu rabo?
– Seu rabo!?! Com mil perdões, senhora! Eu juro que em circunstância alguma toquei no seu rabo!
– Estou-me a referir a um pompom cor de rosa que falta aqui vês?
– Minha senhora, com todo o respeito, acho o seu rabo tão belo que dispensa qualquer adorno…
– Ei! Hallo? Estou aqui à frente! Vou mas é andando para festa…

Ao chegar ao salão, corpos ao rubro e fantasias em altas!

Vejo uma Jessica Rabbit ao longe… Lola?
Andava a passear pelo salão, cumprimentando quem eu conhecia. Sim.. mesmo com máscaras alguns já os conhecia pelo corpo, sorriso.
A meio do caminho sou puxada por uma mão e vejo uma coelhinha da playboy…
Só podia ser Steel. Sempre diferente.

Fiz-lhe o interrogatório todo sobre quem é que era novo e que novidades havia no condomínio.

Tinham ido residir para lá mais 4 meninos e 3 meninas, tinha havido o Jantar de apresentação e, fizeram-no sem mim. Enfim.
Estávamos a meter a conversa em dia ao lado do balde da sangria e, íamos enchendo os copos como quem não quer a coisa (hehehhe).
Vi dirigirem-se a nós um pirata e um Wolverine, olhei para a Steel e interroguei-a com o olhar. Ela sorriu, e segredou-me:
– O Wolverine é o Sassetti, o outro…Hummm..Parece-me o 100Modos, mas não tenho a certeza.
– Boa noite, damas. – disseram os dois em uníssono.
Aquela voz….reconheceria em qualquer sitio. Era a mesma pessoa da entrada.
– Steel, não nos apresentas a tua nova amiga?
Ela desmancha-se a rir e diz que é uma amiga antiga e uma das moradoras antigas do Condomínio. O 100Modos corou debaixo da mascara.
– Peço desculpa pela minha forma leviana, de há pouco. – Dirigindo o olhar para mim.
– Irei ver de que forma poderei aceitar as suas desculpas. – Retorqui com um sorriso safado.
Quando ia pedir a Steel para circularmos, tinha desaparecido do meu alcance.
Tinha sido raptada por um Wolverine de olhos azuis como o mar.- Tenho uma coisa para ti minha coelhinha de rabinho cortado!
– És tu que tens o meu pompom cor de rosa?!
– Não… mas tenho algo muito melhor! Mais delicioso, que te vai deixar louca e a implorar por mais e mais!
– OREOS?!? SIM!
– Steel, só me dificultas a vida, rapariga! Algo que te irá deixar a suar de prazer… percebes?
– Quem foi que te disse que eu sou miúda de ginásio e gosto de suar? Enganaram-te Psasseti, lamento.
-Desisto! Tiras qualquer um do sério com esse rabo todo reboliço e depois deixas-me a salivar! E…
E beijei-o… só para o calar.
-Steel para que foi isso?
– Enerva-me quando gritam comigo e os teus olhos doces estavam mesmo a pedir. Agora já estou bem mais calma.
O Wolverine passa-se dos carretos e atira-se a mim com unhas e garras!
– Lolaaaaaa! Socorro… OH ! Deixa…
Palavras insinuosas, gestos ousados e um flirt contínuo, era o que estava a fazer aquele pirata 100Modos. Iria sofrer na pele o que me fez na entrada do prédio. Simulei uma queda e fui parar aos braços dele, levanto o rosto e prego-lhe uma mordida no lábio inferior e sugo-lhe aquela boca carnuda contra a minha, senti que não resistiu. Deixei o meu corpo deslizar junto ao seu, ficando colado, as mãos dele não sabiam onde poisar. Adoro apanhá-los desprevenidos.
Ao longe, pareceu ouvirem-me chamar, mas não prestei atenção. Pois peguei nos colarinhos da camisa e joguei-o em cima da mesa onde estava a sangria.
Vi uma mãos ávidas a jogar-se à tigela, era a Vizinha. Olhei de soslaio e respondeu-me:
-Seria um desperdício cair ao chão.
Sorri e regressei ao que tinha começado. Voltei a beijá-lo, rasguei-lhe a camisa, para ver ao pormenor aquele peito. Sentir o calor trespassar por cima do meu vestido, deixei as minhas mãos explorarem o resto do corpo.
Não precisei de muito para descobrir o quanto excitado estava, queria possui-lo. O lenço que tinha ao pescoço, puxei por ele e levei-o pela sala, como se estivesse a passear um cãozinho, até à oficina de jardinagem.
Tirei-lhe o resto da roupa, como se estivesse possuída por um animal.
Adorei ver aquele corpo todo nú, bronzeado em tons de mel.
– Se queres o que está por debaixo deste vestido de fogo. Vais ter de trabalhar muito, para te desculpar da tua insolência da entrada. Que estás à espera? – disse-lhe.
Não se fez de rogado, despiu-me deixou-me só de meia de liga e sapatos. Deixei-me jogar para cima da bancada e…Oh God!!!
Preenchida pelo deleite da minha presa, chego à janela nua, para ver o raiar da lua da madrugada.
Solto um grito de animal satisfeito.
– AUUAUAUAUAUAUAUAUUUUUU!!!!!!!
-AUUUUUUUUUUUU!!!!!!!!
Olho e, do outro lado da piscina estava a Steell em sintonia com o meu uivar de satisfação..
Miss Steel #69Letras

Deixar uma resposta