Sorriso saudoso

De todos os meus amores tu és aquele mais saudoso, pelo qual ainda suspiro de cada vez que recordo o teu sorriso…
E recordo… No café da manhã, quando inspiro fundo… No fundo da rua nas velhas azedas de quem nos ríamos, ainda te vejo sorrir… Foram tardes, noites e dias inteiros em que nos abraçamos, rimos e amamos… Ainda hoje me questiono porque deixaste de sorrir para mim. Terei sido prepotente, arrogante? Ou terei te amado em demasia ao ponto de não conseguires respirar?

Será que simplesmente o nosso mundo não tinha as mesmas cores? Serei daltónico, talvez… Sentia o arco íris, contigo… Talvez tu não… Talvez te ofuscasse o teu brilho nos meus olhos… Se eu soubesse… Se soubesse rasgava o tempo com uma mão e parava esse presente que te fez passado… Um passado tão presente, tão próximo e longínquo em simultâneo que não consigo fazer dele memória e muito menos actualidade! Sinto-me como Ícaro, quero subir e olhar no Sol do passado mas se o faço em demasia corro o risco de cair e perder de vez a memória de todos os momentos que passamos, e consequentemente te perder… Ai Fado malvado e ingrato!

Não sei se é amor, se é saudade, se é o pedaço de mim que ficou em ti… Não sei se é verdade… Sequer… Não sei se é real este querer, se é por te perder, se é ego ferido, coração partido ou a pena imensa do futuro que morreu nesse adeus gelado… Sei que recordo teu sorriso, esse inevitável e saudoso sorriso…

O Vizinho #69Letras

Deixar uma resposta