Misses Kat

M18|Texto Erótico

A Nossa Leitora Misses Kat enviou a sua foto e inspirou a Vicky e o Vizinho.
Leiam e deliciem-se com este magnífico conto erótico!

Saudades do Verão, do sol e do calor, da cerveja e do gelado, mas o que mais sinto falta é mesmo dos bikinis… Ou da falta dele, e tanto Misses Kat como Vicky são sem dúvida das melhores manequins de bikini que conheço.
Costa da Caparica, Julho. Vicky convidou-me para passar o fim de semana à sua casa de férias e como eu não consigo dizer que não à bela e sedutora Vicky lá fui eu até à bela Costa.
São 10h da manhã quando chego e um Carocha parado à porta deixou-me curioso. Entro, chamo pela Vicky e ela surge de com aquele ar de gulosa e olhar inocente. Mesmo como eu gosto que ela seja, inocente mas gulosa ao mesmo tempo.
“Vizinho! Que saudades tuas! Anda, vamos para a piscina! Tenho uma surpresa para ti…”
Surpresa… Que estará esta miúda a preparar… Chego à piscina e deitada sobre a relva uma bela e esplendorosa mulher nos aguarda.
“Misses Kat! Vizinho! Vizinho! Misses Kat!”
Nunca um bikini preto caiu tão bem numa pele branca… Fico parado uns segundos a olhar fixamente para aquelas curvas belas e sinuosas, no relevo do tecido negro, nos longos e lisos cabelos negros…
“Vizinho! Acorda!”
“Desculpa Vicky, é impossível ficar indiferente à tua amiga…”
Kat sorri mas não se mostra intimidada, muito pelo contrário, o seu olhar mostra que sabe o seu real valor…

A presença da Kat sempre me despertou o meu lado mais doce, mais menina… Nem sei, apetece-me ser cobiçada, tratada por ela.. afinal sempre foi uma inspiração, uma mentora…
Não resisti a juntá-la no mesmo espaço que o meu querido Vizinho… Àquele eu sei que voltas posso dar… Como o deixar a piar baixinho e como despertar o dominador que há dentro dele…
Claro que a Kat despertou todas as atenções daquele olhar guloso, e estava desejosa de saber o que ia ser de mim no meio daqueles dois…
Estamos os três em apresentações de olhares, gestos, palavras… Esta espera deixa-me ansiosa, molhada…

Onde é que me vim meter ?!
A Vicky diz-me:
“Kat vem passar o dia comigo, só nós as duas à beira da piscina e umas minis fresquinhas!”
Dou por mim a olhar para um homem de alto a baixo e a pensar – “Fuck… Já estragou o que tinha em mente para ela”
Mas para o convidar deve ser interessante senão não ia correr o risco de me deixar aborrecida. Vicky conhece-me bem.
Quando nos apresenta vejo que está toda animada com aqueles olhos penetrantes a brilhar.
Faz as apresentações, olho para ele como se nada fosse, afinal eu tinha planos e até ver o Vizinho não fazia parte deles.

Enquanto troco de roupa noto no olhar de Vicky que hoje acordou para a maldade e eu já adivinhando o que ela deseja não me esqueci da prenda que à muito lhe prometia… A chibata de couro! Chamo por ela e mostro-lhe o meu presente e surpreendente ela chama por Kat e ambas ficam a rir para mim, beijando-se de seguida… Apático, não reajo, apenas sinto uma pontada no meio das pernas e uma vontade de lhes marcar o rabo com a chibata. Elas sabiam muito bem para o que vinham… Junto-me a elas, sinto o sabor de duas salivas na minha língua, o calor de dois corpos e dois toques de mãos diferentes no meio das pernas… Vicky mergulha no meu membro e Kat morde-me o lábio, deixando-me ainda mais entesuado. Com um gesto marca a sua posição, do tipo “Eu é que mando, e ela é minha!” sorrio e olho naqueles olhos escuros e cheios de tesão dizendo. “Ela é nossa! É a nossa Vicky!”
Kat sorri e melhor resposta eu não podia querer… Vai à sua mala e tira um belo instrumento de prazer… Um flogger! Kat desaparece por uns minutos deixando-me a sós com o delicioso movimento de língua e boca que Vicky é tão perita… Por detrás da porta Kat surge com um belo e justo corpete, meias e salto alto, empunhando o seu flogger como um rei mostra a sua real espada… Vicky pára e em uníssono dizemos “Uau!”

Nem a boca cheia do Malaquias delicioso do Vizinho me deixou indiferente à visão que é a Kat preparada para a acção…
Automaticamente, assumi a minha postura de baby girl… Baixei a cabeça, caracóis a escorrer pelos ombros, mãos cruzadas atrás das costas e bom… De joelhos já eu estava…
Ouço os passos da Kat a aproximar-se e humedeço… A festa ia começar agora…
O Vizinho marca a sua postura e segura-me pelos cabelos, levanta a minha cabeça e indica que continue o trabalho que tinha começado…
Sinto a mão delicada mas firme da Kat no meu pescoço e ouço aquele sussurrar safado “Gostas tanto… Cabra”
E estava a gostar sim… O Vizinho já estava perto do abismo, sentia e conhecia aquele apertar… Kat também percebeu porque me fez parar com uma floggerada no rabo…
Parei, olhei para os dois e eles beijavam-se como dois animais no cio… Estava a ser uma menina bonita… Reclamei a minha recompensa… Lambi a perna da Kat…

Aiiiiiiiiii que ela assim deixa-me louca!
Sabe que não lhe resisto quando está agarrada á minha perna como se fosse uma gatinha bebé, lambendo e dando turras. Sabe que gosto que o faça, como quem diz –
“Dá-me mais, por favor… Mais!”
Quero-me concentrar na Vicky mas fica difícil quando o Vizinho se encosta a mim por detrás e me agarra na cintura puxa-me com força como se hoje tivesse que dividir o que é meu…
A verdade é que não me importo.
Hoje ela é minha e dele.

da8994c83162ae4290d70a4e0cd6c2f1

Kat não perdoa e castiga o rabo de Vicky com o seu magnifico flogger. Vicky geme de uma forma tão deliciosa que me dá uma tusa descomunal… Não resisto ao rabo de Kat e a vontade de o ter nas minhas mãos e língua é tão grande que depressa desço pelo seu escultural e corpo e depressa sinto o seu odor de tesão. De joelhos e com a cara mesmo em frente ao seu rabo desvio a cueca depressa delicio-me com um delicioso beijo grego… Que delicia! Kat liberta um gemido e olha-me de soslaio como quem diz “Continua, estou a gostar..” Não me faço de rogado e continuo a usar a minha língua naquela bela, e sumarenta cona… Meu caralho está a latejar de tanta vontade de foder Kat mas sei que só o farei quando e como ela quiser… Ela é uma Domme e tenho que respeitar…

Depois de todo o meu castigo, estava na hora da recompensa… Olho para a Kat que já está perdida no prazer que o Vizinho lhe entrega de bom grado e levanto-me, olhando-a nos olhos que transbordam aprovação… Beijo a boca gulosa e aperto os seios por cima da roupa. Ela larga o flogger e leva os dedos ao meu sexo, sentindo toda a minha humidade… Latejo em antecipação e preciso de ser preenchida, para além dos dedos e ela sabe bem disso…
Sopra no meu ouvido “Monta esta peste, olha como ele precisa…”
Obedeci deleitada com a majestosa ereção que agora tinha dentro de mim. O Vizinho gemeu, só não gritou por ter a boca ocupada com os fluidos da Kat… Danço e aumento o ritmo… Em menos de um suspiro chegou o primeiro orgasmo… Olho para a minha senhora querendo saber quais são as suas infernais intenções agora….

Que tesão olhar pra ela assim, mesmo que se tenha vindo sem me pedir autorização. Provavelmente até nem se controlou de propósito só para ser castigada mais um pouco.
Digo-lhe com uma voz autoritária –
“Vá fode-o, anda mais rápido… Não te disse que podias descansar.”
Prontamente fez o que ordenei, enquanto o Vizinho agarra-lhe no quadril com uma fome de a rebentar toda. Dou uns passos pra trás e observo-os naquele vai e vem animalesco.
Começo a tocar-me ao ritmo deles mas não consigo me vir assim, digo à Vicky que pare, coisa que deixa o Vizinho com uma cara de poucos amigos por lhe tirar o brinquedo mas não aguento mais e quero-a também para mim…
Ela mete os dedos dela dentro de mim, primeiro dois, depois 4. Não foi preciso muito para ela ouvir o meu corpo, sentir as minhas pernas a falhar, toda eu tremo quando atinjo o clímax, toda ela fica molhada, escorre o squirt pelas minhas pernas e o chão fica num péssimo estado .
Ela olha pra mim, sorri como quem sabe que fez um bom trabalho.

“Sim, ele precisa de libertar a sua tesão… Vizinho… Deita… Deixa-nos tratar de ti…” completa Vicky com o seu ar de safada e tesuda…
Kat senta-se em mim, num cowgirl invertido, descendo no meu membro com suavidade e guardando-o bem dentro de si, e Vicky cobre-me a cara com o seu magnífico quadril, permitindo que a minha língua a explore com toda a fugacidade… Enquanto me delicio com o suco e calor de Vicky, Misses Kat dança em mim com uma vitalidade e destreza fenomenal, tão deliciosa que é impossível impedir que todo a minha tesão exploda e jorre dentro de si… É de perder os sentidos! Por momentos deixo de existir. Toda a minha alma e presença desapareceu por completo da face da Terra, levando comigo estes dois maravilhosos corpos tão, mas tão fodiveis…
Abro os olhos e já estou só naquela divisão da casa. Olha para fora e já estão ambas a refrescarem-se na piscina… Saio com a chibata na mão e digo, “Vicky, falta estrear o teu presente…”
Kat olha para Vicky, sorri e diz-me, “Vizinho, não está esquecido. Eu própria quero sentir o estalar do couro na pele da Vicky…”

Misses Kat
Vicky
O Vizinho #69LETRAS

Deixar uma resposta