Dolce fare niente…

Mais um fim de semana, mais uma tarde de sábado em que a chuva cai copiosamente lá fora, fazendo com que o sofá pareça o sitio perfeito para me deitar e divagar, deixar os pensamentos ao sabor do vento e entregar-me ao momento.

Acabo por me render às palavras, aos toques imaginados e ao quão doce seria se estivesses aqui, enroscado em mim, quente e sedutor como só tu sabes ser, só de pensar arrepio-me, mas não de frio, pelo contrario, sou invadida por um calor estranho, um fogo vindo do nada que me consome e que teimas em atiçar.

Provocas-me, sabes? Desde sempre o fizeste sem sequer te aperceberes talvez…

Mas hoje…

Ah! Hoje não te resisto…

Bebo mais um gole de licor, fecho os olhos e deixo-me invadir pelos sentidos… Sinto-te, o teu perfume, o teu gosto, o teu toque, entrelaçado em mim, despindo-me lentamente e descobrindo cada pedaço de pele, que decoras para memória futura, com os dedos ávidos de querer saber mais, arrancar gemidos de prazer e de me sentires.

Os meus dedos são os teus… Toco-me como se tu o fizesses, já tão húmida, tão disponível para ti. Levo os dedos aos lábios como gostaria, provo-me e imagino o teu beijo sôfrego a saber a mim e ao prazer que me provocas.

Não há nada que me excite mais do que isso, gesto simples mas tão intimo, deliciosamente provocante e que me deixa prestes a explodir de prazer. Volto a tocar-me, sinto-me, sinto-te em mim e não te resisto. Expludo de prazer, com um gemido abafado pela surpresa da intensidade, do inesperado mas tão vivido que foi fazer amor contigo, sem me tocares, tocando-me a Alma.

Tarde perfeita, inesperada, como se fosse real e vivida. Só ilusão eu sei… Mas perfeita!

 

© Miss Kitty 2017 #69Letras

Deixar uma resposta