A fúria da fera…

Texto Erótico| M18 ???

A nossa fome é inegável e inevitável… por entre beijos e carícias, o nível de excitação é absurdo… sinto-me uma fera, felina, ávida…

Mas F@da-se,fizeste-me esperar uma eternidade… tens de ser castigado… percebes a furiosa luxúria que toma conta do meu olhar e automaticamente assumes a posição… Nu, entre as pernas que te apertam, braços estendidos por cima da cabeça e o sorriso que me pede que satisfaça a minha vontade…

Não penses que vai ficar assim solto… por entre as roupas espalhadas agarro a minha écharpe e meio desajeitada como me conheces, junto as mãos e ato-as juntas e à cabeceira da cama. Na descida faço questão de passar os seios pela tua cara e volto a beijar essa boca que sempre surpreendeu… Olho-te nos olhos e sugiro que graves a imagem porque te vou vendar… perfeito, a gravata está por aqui e é preta, que contrasta tão bem com a tua pele que já reluz de desejo… decido conscientemente deixar as pernas soltas e detenho-me a observar isto… és meu nesta eternidade sem tempo onde estamos juntos e tudo o resto suspende…

Volto ao ataque, mordiscando e saboreando todos os centímetros deste corpo que me toma conta das fantasias, que eu sei que tem em si a capacidade de me arrancar de mim… e sinto-o, o objecto que vinha evitando mas que insiste em anunciar a sua presença e vivacidade roçando as minhas pernas, coxas, barriga enquanto te torturo… dedico-lhe alguma atenção, saúdo o bicho (afinal sou uma fera com uma réstia de educação) e finalmente junto os nossos corpos num só…

Primeiro, num abraço em que junto às minhas mãos às tuas e me delicio com beijos que sabem a ti e por fim sento-me e sinto-te na tua plenitude em mim… o teu corpo estremece debaixo de mim enquanto danço e te acolho, apertando-te, reclamando-te por dentro e por fora… instintivamente tentas mexer as ancas para aumentar o ritmo, movimento que rapidamente travo… sem sair, debruço-me e lembro-te “isto é para mim, vou Usar-te até estar satisfeita… e aguenta!”

Alterno doçura com mordidas, movimentos compassados com investidas violentas… já me vim (porque ainda que dominado, tens essa capacidade), mas ainda não chega… ofereço-te a minha vulva para que sintas de perto o efeito que me causas e para te deliciares… e volto inevitavelmente ao clímax que me faz arquear as costas e sacode-me o corpo e a alma – se não a perdi pelo caminho… com o êxtase volta a necessidade de ser preenchida por ti e volto à carga… e tão bem que se porta a criatura, sem desanimar, sequioso, duro…

Invisto com mais força desta vez, e agora que te sinto quase enlouquecido, retiro a venda e presenteio a tua visão ainda meio turva com o meu traseiro a fazer desaparecer o teu sexo completamente coberto do meu gozo… soltas grunhidos guturais e quase desesperados e eu paro… deixo-me cair de costas sobre ti e finalmente volto a beijar-te… é altura de te recompensar… solto-te as mãos e após alguns momentos de carinho entrego-me à tua vontade… pões-me de 4 e seguras nas minhas ancas em sinal de propriedade, possessão… depois da sessão de tortura prolongada em menos de nada explodes num orgasmo violento, animalesco e voltas a ser tu e eu ainda a contorcer-me caio em mim também…

Saímos daqui e o mundo volta a girar ou vamos lá outra vez?

Que se lixe o mundo, quero-te….

© VickyM  #69letras

Deixar uma resposta