Whisky com duas almas (Parte 7)

… Onde estava? Estava numa sala. Não. Era um quarto. Um quarto fora do vulgar. Estava escuro, não conseguia ver bem. Cheirava a madeira nova, embora não existisse nada de madeira ali. Sentia o meu corpo pesado e, ao mesmo tempo, preso. Olhei para todo o lado em busca de janelas para conseguir perceber onde estava, mas sem sucesso. Nem porta havia! Como fui ali parar?

Ouvi um som familiar. O som de dois copos a chocarem levemente. Ouvi algo a ser colocado nos copos, parecia gelo. Ouvi um sorriso silencioso. Encheu-me de energia. Eu conhecia este sorriso. Era ela! Ouvi os passos dela a aproximarem-se e senti o cheiro a madeira nova a ser abafado pelo seu perfume inconfundível. Comecei logo a ficar irrequieto. Estava preso numa posição que não me permitia observá-la.
Percebi que era inútil bater-me contra esta prisão. Esperei, era uma questão de segundos até a ver. E assim foi, lá estava ela. Tinha aspecto de quem teria acordado há pouco tempo, ainda estava com a sua camisa vintage de dormir e de cabelo apanhado, descalça e com aquele andar felino característico dela. O que eu adorava observá-la. Sentou-se junto à minha cabeça e pousou os dois copos na mesa de cabeceira. Apetecia-me beijá-la. Nunca me recordei de ter acordado ao lado dela e desta vez tive essa oportunidade. Queria beijá-la. Estava feliz.

Ela pegou-me na cabeça e colocou-a em cima de uma das suas pernas. Sorri e perguntei.

– Porque é que estou eu preso?drinking_couple_alcohol_problems

Não me respondeu e apenas sorriu. Era uma brincadeira e estava curioso para saber até onde iria. Inclinou a minha cabeça de forma a que fosse possível beber um dos copos que trouxera. Era whisky.
Ajudou-me a beber do copo e obrigou-me a beber tudo de seguida. Quase não consegui, não estava à espera que fosse tão forte. Mas soube-me bem, apesar de forte era doce. Ela percebeu que gostei e esboçou outro sorriso.

– Solta-me. – Pedi calmamente.

Acenou negativamente com a cabeça. A brincadeira começava a parecer estranha, mas ainda assim tolerei. Agarrou no segundo copo e repetiu o que tinha feito momentos atrás. Esta dose já me fez queimar a garganta. Que whisky era este? Começava já a sentir as mãos dormentes e os pensamentos meio confusos. Sentia-me mais preso ainda que antes. Ela continuava a sorrir, desta vez que um ar meio maquiavélico.

– Porque é que me estás a fazer isto? O que pretendes? – Questionei, já assustado.

Voltei a não obter qualquer tipo de resposta, para além de um riso. Ela estava diferente. O seu comportamento passou a ser mais dominador e, ao mesmo tempo, assustador. Qual era o objectivo?!
Encheu um terceiro copo e fez-me beber. Fiquei a sentir-me bêbado.

– Porquê isto? Diz-me! – Perguntei, já arrastando as palavras.
– Calma, amor. Está tudo bem. Eu estou aqui. Só quero que te divirtas um pouco. Respondeu.

Ao dizer isto tive um misto de sentimentos. Desejo e medo. Repentinamente, deixei de estar preso e de me sentir pesado. Sentei-me na cama e observei. Não havia nada que estivesse a prender. Nada de cordas, fios, cintos, correntes… Nada! Fiquei bastante confuso.
Estaria a sonhar?! Olhei para o lado e vi-a sorrir. Aquele sorriso que derrete qualquer gelo… Era mesmo ela. Afinal, só estava a brincar comigo, provavelmente a desinibir-me.
Ela fez um gesto com a mão junto à sua perna como se me estivesse a pedir para voltar a deitar-me com a cabeça sobre si. Aproximei-me e, antes de me deitar, beijei-a. Todos os nossos momentos eram de noite. Pela primeira vez estava a ter um momento de dia e queria aproveitar.

Deitei-me e entreguei-me. Entreguei-me a ela. Que ela fizesse comigo o que quisesse. Ouvi-a abrir a garrafa de whisky, só que desta vez não foi para servir nos copos… Ela começou a despejar lentamente o conteúdo na minha boca e não me deixava mexer. Nesta posição não conseguia respirar em condições. Nos primeiros segundo aguentei normalmente, mas depois já me começava a queimar a garganta. A dor era enorme. Não conseguia respirar! Tinha que sair dali daquela posição ou arranjar forma de a avisar. Mas nada, senti-me pesado e preso de novo. Senti que a garrafa estava quase no fim já notava menos álcool. Já não sentia o queimar da garganta. Bebi e a garrafa tinha chegado ao fim. Não sentia os braços e as pernas, estava muito alcoolizado. O meu raciocínio estava alterado, confuso, lento…f550ce62dc20dc04656879b82bf2b038

Foi que então percebi, mesmo bêbado, que não estava apoiado na perna dela… Era uma almofada… Uma mera almofada. E ela?! Nada. Não estava ali ninguém!!! Apenas eu e a garrafa vazia de whisky…
Entrei em colapso, estava incrédulo, assustado. Agarrei na garrafa e atirei-a contra a parede. Seria isto tudo um efeito do álcool??????! Estaria eu a sofrer de algum problema grave??! Mas de repente…

– Anda para a cama… – Disse ela.

Lá estava ela… De vestido e com aquele cabelo logo solto…
Acordei sobressaltado… Reparei que tudo não passara de um pesadelo…

(Continua)

© 100 Modos #69Letras 2016

 

1 thought on “Whisky com duas almas (Parte 7)

  1. Donde podre ver una traducción al español de estos texto en verdad me parecen maravillosos espero su respuesta gracias

Deixar uma resposta