Trabalhos para a vizinha

| M 18 | Maiores 18 |

 

Ao longo da minha vida já fiz muitos trabalhos, costumava fazer reparações em casa dos vizinhos, sempre que surgia alguma coisa avariada ou pequenos trabalhos de pedreiro, lá ia eu para executar os trabalhos, distraia-me e ainda ganhava uns cobres.

Um dia uma vizinha pediu-me para inventar uma tomada num sitio onde não existia nada, e seria um trabalho que daria para umas horas valentes, a vizinha disse-me que iria sair, mas a filha estaria por casa, e portanto, tratei da minha vida, e depois peguei na trouxa e fui ao trabalho, quando desço para a casa da vizinha, toco na campainha, e a porta abre-se um pouco, aparece a filha da minha vizinha, bom, quase nua, de lingerie, sapatos de salto, fio dental e soutien, pela nesga da porta e pelo que vi, foi-me impossível não me sentir tentado, ela fechou a porta e pediu-me para aguardar um pouco, que ia só buscar uma coisa, vestiu um robe, que pronto, era curto, continuou a mostrar mais do que devia, e eu claro, sentia o corpo reagir há tentação.

Entrei na casa, ela mostrou-me o sitio onde queriam a tomada, e eu não tirava os olhos dela, a tesão estava a deixar-me de rebentar, ela dizia que ia ter com o namorado assim que a mãe voltasse e para eu começar a trabalhar, eu bem me esforcei, tirei medidas há parede, mas os riscos ficavam tortos e outras coisas ficavam direitas, e pela forma insinuante dela, a sacana estava mesmo a provocar-me, ela sabia que eu não tirava os olhos dela, e eu sei porque ela fazia questão de olhar para mim, e o robe abria-se ligeiramente e via-se as ligas das meias e o cinto do porta ligas.

Eu bem tentei, mas acabou-me por lá sair algo como, se não houvesse justiça em portugal, e ao que ela me respondeu nos olhos, que faria eu, e pronto, quem brinca com o fogo, lixa-se, e eu atirei-me a ela, preguei-lhe um beijo, e estranhamente, ela não resistiu, antes pelo contrário, retribui-me de volta, fiquei de pé atrás, segurei-a pelas ancas e trouxe ela para a minha parede de trabalho, encostei ela na parede, e beijei com mais intensidade, com tudo o que tenho direito, e ela não se ficou atrás, arrisquei soltar o robe, e não sei bem como, o robe cai ao chão, revelando a pele clara, deslizei ao pescoço com a língua, dando pequenas dentadinhas, deixei-me ir descendo, esperando um travão, mas tal não aconteceu, delicadamente lhe tirei o soutien e engoli aqueles peitinhos pequenos e durinhos, não tardaram os mamilos a reagir as sensações, continuei a descer até ficar de joelhos, virei ela para a parede, dei umas trincas naquelas nádegas bem feitas, deslizei o fio dental para o lado, e encostei a minha cara nas nádegas dela, passei a língua, e sem tocar quase, ela solta um valente gemido, dediquei-me então aqueles maravilhosos lábios, com um ligeiro papinho, afastei eles, chupei eles, antes de a fazer dobrar um pouco e dedicar ao clitóris pequenino e escondido, engoli ele na minha boca, sorvi bem lentamente, chupei, e depois brinquei com ele com a ponta da língua.

Quando percebi que ela já fervia por todo o lado, levantei-me, deixei cair as calças no chão, deixei os boxeurs também cair e encostei-me a ela, puxei as nádegas dela para mim, encostando sem a penetrar, apenas acariciava o clitóris e aqueles lábios deliciosos, e aquelas coisas presas na garganta dela foram-se soltando, gemia lentamente, mas gemia, e acabei por me encaixar nela, enterrei fundo e com força, que tesão bom, peguei-lhe pelos cabelos com uma mão, e com a outra segurei-lhe as ancas fazendo ela deslizar em mim com intensidade e força.

Após uns momentos de vigor, ela desembrulha-se de mim, e joga-me de contra a parede, e beija-me, beija-me os lábios, o pescoço, os mamilos e sempre a descer, estava tão duro, e ainda assim, ela avançou para me engolir todo, sem perdão, engasgou-se ligeiramente, mas percebi que ela me queria pagar na mesma moeda, esteve ali uns momentos e pediu-me algo diferente, encostou-se na parede, peguei nela ao colo, encaixei ela em mim, e ali com ela contra a parede, parecíamos uns animais, entregues a grunhos, a prazeres, gemidos de tesão, e bom, quando se é animal, não se aguenta muito o primeiro, e em sintonia acabamos por atingir o paraíso.

Passados uns minutos, ela vira-se e sai-se com algo parecido, já te tinha visto, mas nunca me ligaste nenhuma, e que não tinha namorado.

 

NMauFeitio #69Letras

Deixar uma resposta