Dividida entre países

Já não sei onde pertenço…
Qual a minha lingua ou cultura. Tenho rasgos de memórias doutras tradições que não são estas as que celebro agora.
Para onde vou? Será o mesmo sitio da onde vim?
Tanta tecnologia e continuo me sentindo perdida.
Onde mora o meu coração não lidera a razão, disso tenho a certeza.
Resta-me confiar nos intintos e nas causas prováveis.
Hoje viajo para a fria e distante direita mas não deixo de pensar no sol radiante à beira mar da esquerda.
Contudo perco-me. Volto a achar-me no norte de outrem.
Caio dos altos onde a minha segurança é abalada por um salto de sapato partido…
E deixo-me estar no chão. Esse meu fiel amigo. No chão as criticas e os olhares de troça de quem assiste minhas quedas entre fronteiras, não me atingem. Lá faço a minha pausa de bilhete de embarque na mão. Tiro tempo para respirar, procurar o meu norte e ligar o meu GPS de mãe.
Eventualmente acabo por me levantar, mais forte e vou à busca doutros mares com marés de segurança.
Quanto a mim…
Continuo com a alma num país e o espírito noutro.
Internacional…mas sem nacionalidade que me satisfaça.

MissSteel#69letras

Deixar uma resposta