Visita indiscreta

| M18 | Maiores 18 |

Andaste tantos dias a pedir-me para me ires visitar ao trabalho, querias beber um café comigo, pois querias falar comigo, andaste tanto tempo a insistir, que tantas vezes o cântaro vai à fonte que um dia parte, e lá recebeste o sim esperado.

Foi numa sexta, já ao fim do dia, estava de serviço no turno da noite, que oiço um carro parar junto ao edifício, pela sombra, eras tu, abri as portas, recebi-te com dois beijos, estava a trabalhar, e as câmaras filmavam, fomos para a sala onde esta a máquina do café, trazias uma gabardina preta quase até aos pés, servi-te o café, tirei a seguir um para mim, puxei de um cigarro e perguntei a razão de tanto quereres falar comigo, olhaste para mim com um sorriso maroto, calculei que não iria sair coisa boa, e tu apenas começaste a soltar os botões da gabardina, inicialmente vislumbrei uma silhueta preta, e quanto mais abrias o casaco, lá reparei que trazias um corpete preto vestido, o primeiro instinto foi deixar cair o cigarro ao chão, o segundo instinto foi gaguejar qualquer coisa que nem lembro, por fim a gabardina estava toda aberta, corpete preto, meias de liga pretas, uns belos saltos altos, e nada mais.

Entre ficar corado e com fome, fiquei extasiado com a visão, e a resposta ao que queria, estava ali bem na minha frente, quando vieste na minha direcção, a tua mão encaminhou-se ao meu sexo, e sentiste-me duro, pegaste na minha mão e levaste-me para longe das câmaras, numa zona mais escura, encostaste-me na parede, a tua mão voltou ao meu sexo e afagaste por cima das calças, deixando-me ainda mais duro, as minhas mãos sentiam o teu corpo, e rapidamente as afastaste, puxaste-me para baixo, fizeste-me deitar no chão frio, não percebi o que desejavas, mas segui os teus comandos, já no chão, ajoelhaste na minha cara, metendo o teu sexo na frente da minha boca, puxaste a minha cabeça contra ele, deu para sentir o calor, meti a língua de fora e deslizei dentro de ti, deu para sentir o teu calor, e a tua humidade explosiva, estavas a ferver, dançaste na minha cara, estive ali parado com a língua de fora e tu deslizavas na minha cara, babando-me todo, soltaste o fecho das minhas calças e puxaste o meu sexo duro para fora, massajaste com as mãos enquanto deslizavas em cima da minha cara.

Passaram uns minutos, de pequenos suspiros, quando te levantaste, encostaste as mãos na parede e afastaste bem as pernas, levantei-me também, e percebi o que se seguia, pus-me atrás de ti e enterrei-me fundo dentro de ti, soltaste o primeiro gemido intenso, profundo de gozo, movimentei-me devagar, bem devagar, os teus sumos escorriam pelo meu sexo abaixo, estavas mesmo no ponto, peguei nos teus cabelos para te ajudar a sentir-me dentro de ti, bem profundamente, te puxava os cabelos e deslizavas pelo meu sexo bem até ao fundo, ficamos ali uns breves momentos, até ao momento em que a campainha deu sinal de vida, estava alguém para entrar no edifício, quis sair de ti, mas não me deixaste, mexeste com força, as tuas ancas espancavam as minhas pernas, e acabei por não demorar muito a soltar o orgasmo, ajudaste-me a compor, e voltei para o trabalho, entrou uma pessoa que iria tratar de um assunto rápido, pelo que não pude ir ter contigo, mas assim que a pessoa passou, vieste para junto de mim, foste para baixo da secretária, sentei-me na cadeira, e senti logo o fecho das calças a abrir-se, e tiraste-me novamente para fora, senti os teus lábios a deslizarem pelo meu sexo, tentei controlar-me enquanto a visita não saia do edifício.

A visita acabou por sair, e com uma enorme força, me consegui controlar e parar com os suspiros de sentir a tua língua deslizar pelo meu sexo quase a rebentar.

Ajeitei novamente a roupa, tirei-te debaixo da secretaria e voltamos para onde estávamos antes, voltaste a lançar-me para o chão, e sem perderes tempo sentaste no meu sexo ainda duro e começaste devagar a dançar em cima dele, pegaste nas minhas mãos e guiaste-me para os meus mamilos, fiquei a brincar com eles, apertando-os entre os dedos, enquanto tu dançavas em cima do meu sexo de uma forma mais intensa, os suspiros eram gemidos, e tiveste o teu primeiro orgasmo, mas percebi que querias mais, e continuaste a movimentar-te em cima de mim, os movimentos mais frenéticos, mais intensos, como se uma batedeira de tesões, de desejos se tratasse, o sentimento e o desejo carnal estava presente e era louco, percorri o teu corpo com as mãos, enquanto olhava para ti de olhos fechados a gozar o momento, não sei quanto tempo passou, mas sei que adorava o que estava a sentir, sobretudo quando nos viemos os dois, no meio do silencio, por entre suspiros e gemidos, ficamos um momento assim, quietos, olhando um para o outro, cheios de malícia nos sorrisos, levantamos, limpamos, fechei o fecho das calças, ajudei-te a fechar a gabardina, e trocamos pela primeira vez uns beijos com tudo a que tínhamos direito, voltamos para a portaria, olhamos com gula um para o outro, e saíste e foste embora.

Ainda assim fiquei a pensar no que queria falar comigo.

NMauFeitio #69Letras

Deixar uma resposta