Uma aventura a três

| M18 | Maiores 18 |

 

A maior fantasia dos homens, por norma costuma ser ter duas mulheres sem regras na cama, eles podem variar entre uma e outra, tendo um prazer sublime.

Foi uma tarde destas, durante um café para o qual eu não fazia ideia do que se ia passar, fomos beber café, pelas tuas palavras com uma amiga tua, fomos para a zona da expo, bebemos café numa esplanada, o sol estava bom, agradável, sem vento, depois do café, que até então tinha corrido normalmente, fomos dar um pequeno passeio. Durante o passeio, numa zona com mais vegetação, sentaram-se as duas num banco, e eu fiquei um pouco mais afastado, a fumar um cigarro, mas não as perdi de vista, e não tardei a ficar com o cigarro pendurado nos lábios antes de cair no chão, a imagem entrou no meu cérebro, e fiquei em choque, as duas de mão dada, meio escondidas aos beijos na boca, e dava para perceber muito bem que havia mais acção, as línguas ávidas comiam-se uma há outra, e eu fiquei petrificado, excitado, mas petrificado, não esperava por tal.

Por fim acabam com a cena e levantam-se, vêm as duas ter comigo com enorme sorriso de orelha a orelha, era um sorriso provocante, carregado de malícia pura, eu claro não fiquei indiferente para o que tinha acabado de ver, o meu corpo reagiu de forma vigorosa ao que os olhos tinham acabado de ver. Combinaram então as meninas, de ir tomar um digestivo a lá a casa, fomos para os carros e seguimos viagem para casa.

Chegamos a casa, recebemos a convidada, e decidiram o que iam tomar, um Baileys para cada uma, para mim, um Jameson que fiz questão de atestar devidamente, quando regressei para a sala, com um tabuleiro, já estavam as meninas pegadas uma na outra, aos beijos, as mãos eram perfeitas bailarinas e dançavam pelo corpo uma da outra, servi as bebidas e tentei sentar-me entre as duas e fui corrido do sofá, pelo modo que fui para a poltrona que fica em frente ao sofá, peguei no whisky, dei um golo, engoli em seco, acendi um cigarro, enquanto as duas se beijavam.

Estava por demais duro com aquela visão, as duas deram um golo nos seus copos e continuaram, o que se seguiu, parecia digno de um filme, eroticamente começaram a voar peças de roupa, beijos ora de língua, ora no pescoço, ora mais abaixo nos mamilos, fiquei completamente de explodir, e elas continuaram ali, até que por fim, já meio sem roupa, saem da sala, fiquei um pouco mais, esperei, e elas não voltaram, levantei-me, peguei no copo e fui ver onde se tinham metido, estavam no quarto já sem qualquer peça de roupa, e já tinham chegado a vias de facto, uma com a cabeça na cintura da outra a fazer um minete, os pequenos suspiros que saiam eram quase inaudiveis, ver aquilo, deixou-me com a tesão de explodir, tentei mais uma vez juntar-me, mais uma vez me afastaram e disseram que dali não levava nada, se quisesse, que me sentasse numa cadeira e ficasse apenas a ver. Bom, lá peguei no raio de uma cadeira, e levei para o quarto, tirei as calças e os boxeurs, para elas verem bem como estava, não ligaram nenhuma e continuaram o que estavam a fazer, uma lambia o sexo uma da outra, enterrava os dedos bem lentamente, enquanto chupava.

Estava sentado na cadeira, com o copo numa mão e a masturbar-me com a outra, e elas não diziam nada, lá acabaram por mudar de posição e foi uma para cima da outra e recomeçaram tudo novamente, lambidelas, caricias, coisas que faziam um eunuco ficar com tesão, continuei ali sentado a olhar para elas, masturbando-me bem devagar, os suspiros delas já eram mais audiveis, o climax delas foi bastante exuberante, e audível, aquele orgasmo delas, foi violento e bem gostoso de se ver, não me vim, continuei apenas a curtir a cena delas, ficaram deitadas lado a lado, bem junto uma da outra, as duas a olharem para mim, até que por fim, lá me chamaram, disseram-me para ficar de pé ao lado da cama, vieram as duas ter comigo tais gatas, as duas de quatro, sem usarem as mãos, puseram as línguas de fora e percorreram o meu sexo duro, brincaram com ele as duas ao mesmo tempo, engoliram todo há vez, não se conteram com a brincadeira, tive eu de me conter, caso contrário teria soltado toda a minha fúria numa delas ou mesmo nas duas ao mesmo tempo, afastei-me delas antes que tal acontece-se e esperei que elas dissessem o que queriam fazer a seguir.

Comecei por ideia delas a comer a amiga, ficou de quatro na cama, com as pernas afastadas, eu fiquei fora da cama e olhei para baixo, dava para ver os dois orifícios ali prontos para mim, era só escolher o que queria, e a amiga começou a fazer caricias nela que estava deitada na frente dela, caricias com os dedos, caricias com a língua, e eu optei por fazer o mesmo, passei a minha língua por trás, enterrei a minha língua dentro dela, queria provar o seu sabor, era doce e quente, um pouco acre, mas saboroso, assim que enterrei a língua ela soltou um vigoroso gemido enquanto lambia o clitóris da outra, fiquei ali um pouco a enterrar a língua, e os dedos, depois levantei-me, aproximei-me, passei o meu sexo pelo dela, afastando os lábios lentamente sem o meter, fiz isto várias vezes, e os gemidos dela ficaram um pouco mais intensos, então decidi pegar nas nádegas firmemente e deslizar todo de uma vez para dentro dela, estava toda encharcada, e quente, foi fácil de enterrar tudo, e nesse momento essa soltou um vigoroso gemido, que tesão, comecei a movimentar-me atrás dela, tentei não abrandar, tentei o inverso, aumentar vigorosamente o passo, os gemidos dela misturados com os teus gemidos, parecia um sonho tornado realidade, optei por brincar com um dedo no rabo dela, e os gemidos ainda aumentaram mais de intensidade, entrei num ritmo frenético e violento, e ela não disse que não, antes pelo contrário, acompanhou os movimentos para dar mais intensidade, quando estava prestes para me vir, parei, sai dela, pedi para se virarem para mim e fiz uma cena hardcore, tive o orgasmo e ejaculei bem na cara das duas, ficaram as duas todos com a cara cheia de leite.

Depois de descansar um pouco, e delas se limparem, decidiram que não tinha sido justo e já tinham planeado uma pequena vingança, vinham as duas tão dóceis, que me pediram para me deitar na cama, no meio das duas, mimos de uma, mimos de outra, e assim que me apanharam desprevenido, prenderam-me os pulsos nos cantos da cama, e de seguida fizeram o mesmo aos tornozelos, fiquei ali, deitado, preso, elas saíram da cama, e ficaram no fim da cama a comerem-se uma na outra, com beijos e mais caricias, mais uma vez, não sou de ferro e voltei a ficar rijo, elas ficaram naquilo um bom pedaço, até que voltaram para a cama, a amiga sentou-se na minha cara, pegou-me pelas orelhas e enterrou-me a cabeça no sexo dela e ordenou que a chupasse, e lhe desse muito prazer, e algo que claro, não me fiz rogado, e comecei logo a trabalhar, com a língua de fora, ela mexia-se a fazia-me deslizar dentro dela, a outra atirou-se ao meu sexo, sentou-se em cima dele e cavalgou-me como se fosse tarde demais, elas ficaram nisto um bom bocado, sei que uma se veio, pois os gemidos foram bem audíveis, e trocaram as duas, uma na minha cara a roçar-se toda, e a outra sentada em mim, ainda me cavalgou com mais força, tornaram a vir-se novamente, e finalmente me deram descanso, pese embora, eu não me tenha vindo, havia mais uma surpresa, a amiga fez-me um exame oral com final feliz engolindo todo o leitinho, sem perder uma única gota, depois disso, deitaram-se as duas, uma de cada lado, e eu fiquei ali perdido a olhar para o tecto e a pensar na sorte que tinha em ter uma namorada assim e uma amiga.

 

NMauFeitio #69Letras

Deixar uma resposta