Um tratamento eficaz

| M18 | Maiores18 |

 

Uma fantasia sobejamente conhecida, a enfermeira, e o paciente, claro que a enfermeira, estaria ali para cuidar de nós, no meu caso, de mim, aquela bata pequena, curta, que deixa transparecer a liga da meia, depois devidamente artilhada com um micro fio dental, sem nada mais por baixo, os mamilos ali soltos, duros, capaz de nos despertar só com o olhar, claro que não poderia faltar uns belos saltos agulha, bem altos de preferência, elevam o rabo, tornam as pernas mais belas, e elas ganham centímetros que nos excitam.

Aquela cama de hospital, modelo eléctrico, que podemos recriar o “Kamasutra” sem grandes esforços, apenas eu, e tu, ali naquele quarto para atender nas minhas maleitas, curar umas e provocar outras, mas dali me vais curar, a visão de te ver entrar no quarto, na forma que idealizei, os meus olhos seguem-te passo a passo, como-te com os olhos e vou ser o lobo mau e vou-te comer toda com todo o meu arsenal perverso.

Mal entras, eu que nem mola, reajo, saltando da cama a uma velocidade vertiginosa, quero ser examinado de alto abaixo pela Senhora Enfermeira, adoro o detalhe de quando pega na minha ficha, se senta na cadeira e me observa de alto abaixo, a bata teimosa teima em mostrar mais do que deve, e eu tenho todo o gosto em ver mais do que devia, a Senhora Enfermeira dá uma vista de olhos pela ficha e levanta-se da cadeira, seguindo na minha direcção, poisando a ficha e encosta o engenho para ouvir os meus interiores, pede-me para tossir pelo meio da minha respiração ofegante, acelerada apenas pelo excesso de visão que me tanto intimida como me excita, o auscultador desliza peito abaixo, até há cintura, e na cintura algo pulula tanto quanto o meu coração, e o toque frio do auscultador, me arrepia e ainda me excita mais e mais, a Senhora Enfermeira deixa escapar o auscultador e já nada mais me faz.

O desespero do desejo é tanto que perco a calma, e empurro a Senhora Enfermeira na direcção da cama, tombo-a sobre a mesma, expondo as nádegas e aquele pequeno fio dental encaixado entre nádegas, logo ali, enterro a minha cara, entre aquelas belas nádegas que gritam por mim, trinco-as, mordisco levemente, saborosas, divinas, deixo a minha língua caprichosamente deslizar entre orifícios, deliciosos, saborosos, desperto a fome da Senhora Enfermeira, que me deixa louco de a possuir.

A Senhora Enfermeira revoltasse e o primeiro sinal de revolta, e o segurar-me com força, e afastar-me de si, empurra-me na direcção da cama, força-me a deitar, tento resistir, e a Senhora Enfermeira trata-me como um paciente hostil e começa a prender-me os pulsos à cama, preso, sinto-me inútil, mas preso puxa-me os calções para baixo, expondo-me o sexo mais duro que uma barra de ferro, começa, por vestir umas luvas de látex, após que me seguro no sexo com alguma força e me desliza a mão previamente besuntada com lubrificante, a minha vontade de a possuir há bruta, passa agora por resistir aos seus ímpetos de me fazer atingir o orgasmo, resisto, e resisto mais, e não abranda, mas muda de abordagem, pega no comando da cama, e transforma a mesma numa posição tipo “V”, e sobe para cima da cama e sobe para cima de mim, roçasse em mim de uma forma muito intensa sem me deixar entrar dentro de si, fico de explodir, as sensações do corpo quente a deslizar em cima do meu sexo são tremendas.

Por fim, ajeita-se e deixa-me finalmente deslizar pelo sexo encharcado adentro, o calor é infernal, e começa bem devagar a fazer-me desfrutar da preparação toda, movimentos de ancas e mais movimentos de cintura, o esgar de resistir sempre um pouco mais e mais, a Senhora Enfermeira solta a sua fúria e cavalga-me com todas as suas forças, e ainda assim, eu resisto, quero apreciar mais um bocadinho daquela doce Enfermeira, e sem mais, pára, tira-me de si, diz que sou um péssimo doente, e avisa-me que vou de castigo, pega no comando, e baixa a cabeceira, sai de cima de mim, e senta-se na minha cara, ordena-me que meta a língua de fora e a acaricie, pega na minha cabeça e faz a mesma deslizar, pelo sexo húmido e quente que pinga desejo e tesão, voltam os movimentos de ancas e mais movimentos de cintura solta os gemidos escaldantes, e aumenta os movimentos da minha cabeça entre as suas pernas até que por meio de tímidos gemidos se solta um estridente orgasmo e saboroso, os sumos do orgasmo escorrem a minha cara abaixo, delicioso, e eu quero mais, mas fico de castigo, o resto ficará para mais tarde, dependendo de como se porta o doente.

 

NMauFeitio #69Letras

Deixar uma resposta