Quero esta alma, este conforto, o teu sorriso

Impávido e sereno me mantinha.

Convencido que nada me faria tremer. Levantava-me da cama todos os dias confiante e de postura fria, preparado para enfrentar o que aí viria. Sem receios e medos. Capaz de fazer frente a qualquer coisa.

Essa passividade foi-se tornando mais rotineira criando uma espécie de visão monocromática da vida. Muitas vezes sem sabor, sem odor, sem tacto. Não ao ponto de não apreciar os gestos genuínos, puros, com vontade. Mas sempre com suspeita, dúvida, incredibilidade… Que na prática acabam sempre por comprovar o mesmo. Mais do mesmo. Sempre o mesmo. Durante um longo período era-me impossível acreditar na bondade das pessoas. Talvez as minhas escolhas no passado me tenham condicionado de tal forma que o meu subconsciente agia por reflexo.

Retracção.

Eis que algo mudou. Algo bom. Algo apareceu. Um gesto, um acto, uma pessoa, alguém, uma palavra, um sorriso, uma alma, um conforto. Desta vez o meu subconsciente traiu-me. Não existiu rejeição. Nem sequer tive o reflexo de impor questões, duvidar, suspeitar… O que é isto? Um quente no peito, insegurança. Medo. Vontade. E de repente a vida ganha outro tom, outro cheiro, outro tacto… Poderão não estar as cores todas, só quero as certas. Algo trouxe mais alegria ao meu presente, quiçá futuro. De momento, não importa.

Não vou retrair-me mais. Provei desta droga e agora não quero parar. Esta sensação faz-me viver. Quero esta alma, este conforto, o teu sorriso.

© 100 Modos #69Letras 2016

Deixar uma resposta