Prova a dois

| M18 | Maiores 18 |

 

Já algum dia foram aos provadores de roupa das lojas, certamente que sim, e decerto que já vos cruzou pelo pensamento que o espaço é pequeno e terá algumas possibilidades, desde que o silêncio impere, bom, algo parecido com silêncio.

Um dia de compras, num centro comercial por aí, e tudo começou por experimentar uma lingerie, fomos os dois para o provador, nada que já não tivéssemos feito antes, mas naquele dia, sabe-se lá porque, a coisa descarrilou.

Tiraste a roupa, ficaste nua na minha frente, para experimentar a lingerie, eu fiquei num canto do provador e não sei bem porque, fiquei com tesão, estava duro, tu quando estavas a olhar para o espelho, reparaste na minha saliência elevada, mais que reparares, foi mesmo o teu gesto imediato, de me alcançares, as tuas mãos foram que nem setas directas ao fecho das calças que parecia me impedir de ficar completamente teso, abriste o fecho e puxaste o meu sexo em erecção para fora, baixaste sem dobrar as pernas e engoliste-me todo, que pura tesão, apetecia-me soltar algo, mas não podia, tu parecias divertida, enquanto me engolias todo, e paravas, tiravas fora, olhavas para mim, parecendo esperar um sentido de reprovação, mas não, continuaste a brincar comigo, fiquei de rebentar, a tesão era demais, e o apetite, bem, nem comento, tentei em vão papar-te ali mesmo, mas fugiste de mim, vestiste a roupa sem a lingerie que já trazias, e disseste para eu ficar ali, saíste, foste falar com a menina da loja, perguntaste acho se podias provar outro conjunto, e assim foi, quando regressaste continuava bem duro, mas poisaste a lingerie, e vieste a mim, continuar o que tinhas começado, tentei impedir-te com receio que os meus gemidos pudessem denunciar o que me estavas a fazer, mas foi mais forte que eu, por um lado impedir-te para não sermos apanhados, por outro, estava a saber tão bem.

Paraste um pouco antes de eu agonizar por me estar a aguentar, arrumaste-me no lugar, pegaste na lingerie e encaminhamos para fora da loja, acho que fiquei que nem um tomate, vermelho como tudo, tesão cortada, esfomeado, duro e tu deixaste-me ali na beira do fim, sem chegar ao fim.

Saímos do centro, fomos para o parque de estacionamento, tínhamos o carro num gaveto, abriste a mala do carro, poisaste uns sacos lá dentro, e levantaste a saia, e orgulhosamente me disseste para te foder ali mesmo, olhei para todos os lados, não vi ninguém, soltei o fecho das calças, expus o meu sexo rijo de tesão e foi ali mesmo, entrei em ti, estavas tão molhada, que nem sei, deslizou que nem ginjas, com receio dei umas pequenas palmadas, tinha medo que os sons nos denunciassem, mas não parei, fodi-te ali com alguma violência, estavas dobrada na mala do carro, toda exposta para mim, dava para ver tudo enquanto entrava e saia do teu corpo, os poucos sons que soltavas eram abafados pela mala do carro, eu claro, cá fora, tive de me conter, até ao momento em que não me pude conter mais mais e larguei a minha carga orgulhosa para dentro de ti, nesse momento tombei em cima de ti para dentro da mala do carro e soltei um gemido de gozo intenso.

Desde esse dia que quando vou a centros comerciais, e tu me tentas a ir ver-te no provador, que nem penso uma única vez.

 

NMaufeitio #69Letras

Deixar uma resposta