Xiuuu…

À cinco anos atrás eras o meu mundo, eras tudo o que me fazia bem, que me completava e melhorava e de um momento para o outro pufff… Nem um telefonema, nem uma mensagem, nem uma explicação, simplesmente nada. Soube depois que tinhas ido para o estrangeiro, deixando-me tão incompleta. Comentaste com um amigo que não tinhas dito nada por receio de não teres coragem de partir, e de me fazeres chorar, mas assim ainda mais doeu.

Foram tantas as noites que passei acordada a chorar e relembrar as nossas loucuras, o quanto nos amava-mos e desejava-mos e nunca te consegui perdoar esse final de história sem explicação.

Passados estes anos todos estás de volta, queres ver-me, voltaste a ser o meu mundo de repente porque te sinto na pele, nunca esqueci o teu gosto e o teu cheiro, o teu toque que me fazia delirar de prazer e a maneira como nos entregávamos, sem limites nem pudores.

Agora estás de volta, mas não tem volta, segui com a minha vida, acho que te consegui esquecer mas preciso desta noite para encerrar de vez este capítulo e dar um fim à nossa história, preciso de saber o que ainda sinto e tenho medo desta necessidade, mas vou em frente e aceito o teu convite para jantar.

Sem querer dou por mim a vestir a minha melhor lingerie e um vestido sem costas de cortar a respiração, pronta para enfrentar o destino vou ao teu encontro e começa logo bem… Não descuraste nenhum pormenor, rosas brancas que adoro, o nosso restaurante e o toque das tuas mãos nas minhas costas que me deixou logo sem reacção e com um desejo desmesurado de te voltar a ter nos meus braços.

Conheces-me bem demais, não te consegui esconder a minha inquietação, e com esse sorriso malicioso passas o jantar a desculpar-te e a provocar-me, ao mesmo tempo que te apressas para me tirar dali. Finalmente terminamos o jantar, encaminhamo-nos para a porta e sussurras “Agora a sobremesa…”.

Sinto um arrepio que me percorre o corpo e a Alma, será possível ainda te amar como amava, será possível que os cinco anos de tristeza e sofrimento não tivessem servido para nada, tudo perguntas que são prontamente respondidas quando me encostas ao carro e me beijas com sofreguidão, como se nunca nos tivéssemos separado abruptamente, e sempre tivéssemos pertencido um ao outro.

De repente caio em mim, lembro-me de todo o mal que me fizeste, do quanto me deixaste cair, de todos os centímetros de chão que me roubaste e lágrimas que derramei, e faço-te parar dizendo que não há volta, que não quero tornar a viver tudo de novo. Poisas o teu dedo nos meus lábios e dizes:

-Xiuuu

-Não digas nada…

Miss Kitty #69Letras

Deixar uma resposta