Misses Kat…

Texto Erótico M18 ?

Era uma noite como tantas outras… Bar,  cocktails, conversa fiada e aquele percorrer o olhar em busca de algo que alegre a vista… Três cocktails depois começo a sentir que vou para casa de alma lavada mas vista suja… Estava tão enganada… se eu tinha escolhido um vestido justo mas simples e quase inocente para acompanhar as sandálias altas, ela tinha vindo armada até aos dentes de top corpete que emoldurava aquele peito saliente, saia travada acima do joelho e uns sapatos lindos e gigantes que lhe conferiram uma graciosidade diabólica… cabelos escuros soltos e que lhe seguiam os movimentos do corpo hipnotizaram o meu olhar.
Que delícia deves ser, porra… os olhos fitaram os meus por momentos e foi evidente que aquele mulherão era bem mais que fogo de vista e o click incendiou-me até ao ponto de sentir os mamilos tesos por baixo do soutien… tentei abstrair-me de tudo aquilo acendendo um cigarro e fechando os olhos absorvendo a música que soava deliciosa como adivinhava aquela criatura. Quando voltei a abri-los estava ela ao meu lado e vi os lábios mexerem mas estupidamente atónita que estava não ouvi qualquer som. Sorriu e voltou a perguntar, “desculpa, tens lume?”.  Balbuciei algo imperceptível até para mim,  puxei o isqueiro e acendi o cigarro. Já de volta ao meu corpo, tentei compor-me e pedi desculpa pelo momento de paragem cerebral e já toda eu ofereci-me para lhe pagar uma bebida, que cordialmente aceitou. Em algum ponto nos esquecemos que estávamos acompanhadas, porque saímos do bar juntas e com uma rota traçada, a da descoberta…

Entrámos pela porta do quarto já perdidas em beijos e com mãos por baixo da roupa que pedia para ser tirada. Encostou-me contra a cómoda e com o olhar eu percebi o que é que aquele ser me ia fazer… Completamente vestida ainda retirou as minhas cuecas que já estavam molhadas, desapertou o vestido sem mo despir, condicionando-me os movimentos e começou a explorar o meu corpo todos entre mãos, língua e o toque de cabedal do corpete… já quase me tinha vindo quando finalmente me atacou a vulva e o clitóris com aqueles lábios suaves mas gulosos que me provocaram um orgasmo intenso, animal… enquanto eu ainda soltava grunhidos de costas arqueadas, ela deliciou-se no meu néctar enquanto as mãos seguravam os meus quadris com firmeza. Queria imenso retribuir a vaga de prazer que estava a sentir, mas ainda antes que voltasse a mim, já ela me tinha de quatro em cima da cama feita com lençóis de veludo negro, a gotejar. Senti de novo os lábios desta vez no fundo das minhas costas, no meu rabo… tremi outra vez e ainda mergulhada no transe senti a primeira palmada. Seca e certeira calou-me é excitou-me… senti de novo a língua a explorar a zona dorida qual leoa, uma trinca suave bem perto do meu rabo e de novo, outra palmada, desta feita no outro lado, de novo seca… desta vez sem beijos, senti os saltos nas minhas pernas e espreitei pelo canto do olho para me deparar com a visão daquele mulherão ajoelhada junto ao meu rabo rosado por aquelas mãos de seda que soltam açoites deliciosamente estridentes… senti dois dedos dentro de mim e tremi uma vez mais, ergui-me e beijei os lábios que sabiam a mim. Virei-me e deixei que continuasse a tortura prazer mas desta vez também levantei a saia e Arranquei as cuecas que me separavam daquele ninho quente e completamente encharcado onde introduzi os dedos copiosamente até lhe sentir as pernas a falhar… deitei-a e deliciei-me,primeiro na pele a descoberto, depois naquela ratinha que era tão doce que quase me vim a lambe-la… deixei que explodisse na minha boca e entrelacei as minhas pernas nas dela deixando que os nossos sexos se tocassem. Instintiva e suavemente iniciámos uma dança de ancas e pude finalmente deixar a descoberto os seus seios e chupá-los, ao que ela respondeu soltando gemidos que cada vez mais se assemelhavam a gritos de prazer… “Masturba-te para mim” pediu entre suspiros e respiração arfante. Obedeci e pedi que fizesse o mesmo ao que assentiu… Ambas atingimos o orgasmo em simultâneo caindo nos braços uma da outra e num sono profundo…

Acordei com o seu beijo de seda e um adeus… Mas não sei o teu nome!… “Kat, Misses Kat… é tudo o que precisas saber… e obrigada…”

Um dia encontro-te outra vez minha gata….

©VickyM #69letras

Deixar uma resposta