Encontro

Tinha ido beber café com um amigo no Luxury, quando uma mulher vistosa, morena chega à nossa mesa e o cumprimenta.
Foi-me apresentada e ela perguntou se não queríamos ir ate casa dela, lanchar e assim ela metia a conversa em dia e estávamos mais a vontade. Não me fiz de rogada e o meu amigo também não, mas o nosso trocar de olhares por causa do convite, foi sugestivo e sabíamos o que ambos estávamos a pensar. Sem saber que a amiga dele também.
Quando chegamos ao apartamento, ela disse para nos colocarmos a vontade, que ela ia so pousar as coisas e que preparava de seguida o lanche.
Qual não foi o nosso espanto, quando ela aparece na kitchinette de camisa transparente e fio dental, ele apertou-me a perna e segredou me:
– Assim não me aguento e retorqui.
-Se fosses só tu!!
Ela arranjou o lanche e sentou se no meio dos dois. Conversa puxa conversa, todos foram relaxando e ambientando se uns aos outros.
A Rute era deslumbrante com aquele corpo torneado, a sua forma de falar era tão cativante que ficamos absortos a ouvi-la, a tal ponto que nem dei conta que roçava a perna dela na minha. De quando a quando, deslizava a mão dela pelo meu braço…o seu toque arrepiou-me e sei que o nosso contacto não foi indiferente a ela.
O meu amigo só olhava para mim desesperado de excitação, por a ver assim em camisa e, decide-se levantar do nada e dizer que vai o WC. Ficamos as duas a olhar uma para outra, sem saber o que dizer, até que…
Ela deu um passo em frente, agarrou o meu rosto e beijou me.
Um beijo terno, sedutor, apaixonado, quente, senti os cabelos da minha nuca arrepiarem-se de tal forma que, não resisti. Correspondi ao beijo, apertei-a de encontro ao meu corpo, que consegui ressaltar um gemido daquela boca doce e insaciável.
Começamos-nos a acariciar, com as nossas mãos a explorar cada parte do corpo de cada uma. Senti-a a despir a minha camisola e tirar me o soutien, vi o olhar dela de desejo para os meus seios, aproximou-se e senti a boca dela a descer pelo meu pescoço ate ao bico do mamilo..
O calor daquela boca no meu peito, a língua aos círculos e a chuparem ao mesmo tempo, fez me soltar um gemido de prazer. Tirei-lhe a camisa e fiz-lhe o mesmo que me fez. Mas eu adoro olha, olhos nos olhos para ver o desejo estampado daquilo que estou a fazer….
Ela mordia o lábio e gemia, resolvi com a minha língua descer pelo corpo dela, passar pela barriga e chegar à parte mais intima. Ela contorceu-se toda ao sentir o calor da minha boca e a minha língua a passar mesmo no meio, como se tivesse a lamber um gelado.
Com as minhas mãos ia massajando o clitóris dela, e enfiei 2 dedos na vagina, enquanto a minha língua continua a saborear aquele néctar, até conseguir arrancar um gemido bem forte de prazer e ver o corpo dela estremecer a vir-se.
A mão dela agarrou a minha cabeça, de forma a que a minha boca não saísse da vagina dela e ela pudesse se vir toda nela. Hummmm!!!
Mal senti aquele liquido agridoce na minha boca, levantei-me roçando o meu corpo nu no dela e beijei-a.
Tínhamos nos esquecido do nosso amigo, ele à porta da sala tinha visto tudo ao ponto de estar com o membro todo erecto, via-se por cima das calças, alem de estar todo molhado.
Fizemos sinal para ele se aproximar, desapertamos as calças, tiramo-lo para fora e ambas com o olhar lascivo de gozo, olhamos para ele e começamos a chupa-lo. Gemeu, que mais parecia um uivo.
Fomos alternando as nossas bocas no membro dele, ate que a Rute pôs-se de quatro e vira-se para ele e diz-lhe:
-Possui-me toda, enterra-o!!  – Ele não se fez de rogado e enterrou-o.
Enquanto eu por traz acariciava-o, beijava-o e com as minhas mãos abria as nádegas dela, para ele o enfiar todo e a ouvirmos gemer. Os gemidos intensificavam-se e a forma como ela me olhou não resisti. Ele continua na mesma posição com ela e eu muito subtilmente, coloquei-me por debaixo dela, beijando-lhe os seios, a barriga e por fim a minha boca encontrou o recanto mais intimo dela e suavemente comecei a passar a minha língua e senti o corpo dela estremecer, a respiração ficou mais ofegante, ao ponto de ela não aguentar mais e a boca dela ir de encontro a minha  parte intima.
 Senti a boca quente e húmida dela, a língua suave como a seda, os meus gemidos sintonizavam com os dela, ambas com uma vontade louca de explodir, não aguentamos. O êxtase!!, a intensidade da tesão foi tal que, o nosso amigo delirou a ver-nos, ao ponto de dizer:
– FODA-SE!! Que ja não aguento.
O meu olhar e o da Rute cruzaram-se parecia que tínhamos lido o pensamento uma da outra, ficamos de joelhos as duas e dissemos para ele nos dar de beber nas nossas bocas.
Lindo!!!…Ver o rosto de prazer dele a derramar algo tão precioso, só para nós….
Fomos tomar banho juntos e..,,
O prazer parecia insaciável, que nem no banho escapava..
Que tarde maravilhosa que passamos….
LOLA #69Letras

Deixar uma resposta