E de repente…

E de repente, sinto-me amarrada sem o estar, correntes que a ti me prendem, elos que nos surpreendem, toques que sem querer, sem sequer me aperceber, a ti me rendem, sentimento inóspito, de um querer tão explícito, pinta de cores que não existem, um arco-íris infinito.

Sentimento que me inunda a alma, me deixa à tua mercê, nas mãos tens-me na palma, roubas-me toda a calma, e este querer me entregar, difícil de comportar, transborda do meu corpo ansioso, do teu tão desejoso, de a ti me acorrentar.

E com toda esta vontade, digo-te tudo o que quero, de modo sucinto e sincero, em que a felicidade é a prioridade, e o gostar de verdade, é tudo o que de ti espero, desejos talvez alcançados, que nos deixam acorrentados, rendidos e entrelaçados.

E de repente amarrados, de correntes cobertos, porém tão libertos, expiamos pecados, de passados incertos, criamos o futuro, minuto a minuto, vivemos o presente, com garra e em absoluto, com toda a certeza, que as invisíveis correntes, intensificam e libertam os nossos presentes.

© Miss Kitty 2016 #69Letras

Deixar uma resposta