Dançarina Privada

Entrei no salão. Era o teu dia de show. Recebi um convite teu para a festa, era a primeira vez que te ia ver dançar. E estava longe de imaginar que aquela dança iria mudar a minha vida.
À primeira vista, era impossível ficar indiferente à tua sensualidade. O público delirava contigo, assim como eu… A forma como te movimentavas naquele varão, já por si era cativante.
Nunca tinha visto alguém dançar assim. As luzes reflectiam o melhor de ti.
«Que corpo… que sorriso… que mulher, meu Deus!», pensei para mim.
Mal sabia eu que iria ter um privilégio ainda melhor…
(…)
Já tinha ouvido falar dos teus dotes, mas nunca pensei que me fosses encantar tanto… «Se eu pudesse, levava-te para casa hoje…», suspirei.
E no fim quem me levou foste tu. No meio da multidão, eu era a convidada especial e por isso, tive direito a um brinde especial…
(…)
Estava tudo preparado. O vinho, a fruta, a cama… Sabias bem o que ia acontecer.
Pela primeira vez na minha vida senti-me nervosa numa situação destas. Era uma mistura de desejo com o medo de desapontar-te.
(…)
Aos poucos, foi surgindo o clima… Um toque, um beijo, uma caricia… Quando dei por mim tinha a minha mão no teu peito.
E tu sorrias, como que se em modo de provocação me incentivasses a continuar, a soltar-me. Assim o fiz. Entreguei-me ao momento. Deixei-me levar… Estava disposta a dar-te uma noite inesquecível.
Sei que te surpreendi. Não estavas à espera que te conseguisse levar ao orgasmo tão facilmente, não é?
Mas aquela tua dança despertou em mim algo selvagem… «Wow! Que loucura…», julguei eu. Mas essa loucura tornou-se um vício!
E o que era para ter sido apenas uma experiência de uma noite, tornou-se algo que agradava às duas e se foi repetindo.
«Sem sentimentos…», sempre me disseste.
«Puro sexo…», e assim o cumpri.
Mesmo que por momentos parecesse que te entregavas a mim de alma e coração, fingi sempre acreditar que o que havia entre nós era mera diversão. Puro prazer, digamos! E que prazer…
(…)
Ainda hoje, continuas a ser a minha dançarina privada e eu, a tua convidada especial. Gosto dessa ideia… dá outro ênfase ao que temos. E seja lá o que for, quando o é, é óptimo!

LobaBranca

Deixar uma resposta