Cortina mal fechada…

Mais um dia, difícil e cansativo, intensamente vivido, em que chego a casa e descontraio, me rendo ao torpor e me esvaio, dispo a pele de viver, olho pela janela sem querer, descubro que alguém me observa, fujo do olhar invasivo, profundo e abrasivo, corro a cortina e da janela saio.

Sem querer fiquei a pensar, na intensidade daquele olhar, sedutor e penetrante, intensamente desafiante, que despiu tudo o que não havia a despir, a alma quis invadir, o meu ser revelou, e fez o corpo reagir.

Tudo isto se tornou rotina, coisa estranha, talvez sina, ou destino anunciado, do amor há tanto desejado, preso naquele olhar, que teimava em me desafiar, eu fazia por isso, sentia-se provocado, ignorava a razão, lançava-me o seu feitiço, caía em tentação, mas por um vidro separado.

Como por vezes acontecia, não tive o seu olhar um dia, coisa que ma fazia falta, na rotina em que caía, que sem sequer imaginar, iria ser quebrada nesse dia, num misto de espanto e surpresa, que ao seu olhar me ia deixar presa.

Batem-me à porta com jeito, vou abrir como estou, o olhar estava ali, o meu corpo recuou, agarra-me e puxa-me para si, deixa-me sem reacção, trazia água no olhar, de um azul cor de mar, e poesia nos dedos, que parecia que conheciam os meus segredos.

Nesta noite inesperada, em que passo todos os meus limites, ajo por instinto, rendo-me ao olhar que sinto, renasço das cinzas e o amor pressinto, e sem sequer pensar, nem sequer protelo, entrego-me com desvelo, nesta noite tão desejada, por causa de uma cortina mal fechada.

Miss Kitty #69Letras

Deixar uma resposta