Alguma vez será de vez?

Desculpa mas tenho que escrever, as palavras têm que sair não aguento mais tenho o peito a explodir. Penso em ti todos os dias a toda a hora. Chama-lhe obsessão, amor, doença ou dependência, chama-lhe o que quiseres mas vem ter comigo e sê obcecado comigo , ama-me, sê doente ou dependente comigo, arranca-me a roupa nesta noite tão quente de verão. Mostra-me que não estou maluca, em passado tantos anos, continuar a sentir esta fome de ti.
É verdade que a situação não é a ideal. Mas será que com a nossa história, alguma vez vai ser? Será que há um dia certo? Um dia destinado para os nossos caminhos se entrelaçarem para sempre?
Algum dia o sonho se vai realizar? Acordar contigo numa cama que já conhece cada contorno dos nossos corpos de tantas vezes que me fizeste tremer de tanto gemer com esse teu jeito desde a primeira vez que me tocaste, ou que simplesmente ao fim de um dia daqueles que não se deseja a ninguém, me abrigaste deste mundo venenoso em que vivemos…
Não posso dizer que neste momento te conheça, não faço a mínima do que te vai na alma ou nessa cabeça. A única coisa que sei é que continuas o único pedaço com que eu encaixo.
Admito fiz merda e da grossa mas não consigo evitar o meu corpo continua a chamar pelo teu, por ti. A minha pele arrepia-se quando penso sequer na hipótese de te voltar a ter. É uma sensação tão crua como a que tenho quando me possuis. Crua pode parecer-te estranho mas é isso mesmo. Fazes-me sentir tudo sem jogos, máscaras ou perdas de tempo. Dessas merdas está o mundo cheio.
Não sei o dia de amanhã mas espero não continuar a sentir esta dormência que já não vai embora. Quero sentir tudo contigo.
Desculpa a linguagem “crua” mas no que toca a ti só consigo ser assim. Não dá para adocicar o que tem tantos sabores e relevos.

Alpha Female

Deixar uma resposta