Sem saberes, reclamo-te para mim.

 

M18 | Maiores18 | Estendida na cama esfrego o corpo nú nos lençóis gelados na esperança de esbarrar noutro corpo quente. Deslizo o nariz no colchão rezando para que as memórias libertem naqueles lençóis o cheiro do teu corpo. Neste quarto sem luz desejo que te fundas na escuridão e tomes o meu corpo de sobressalto e enquanto anseio, finjo que as minhas mãos são as tuas e massajo os meus peitos duros de tesão, as pernas afastam-se e as ancas oferecem-se ao ar daquele espaço delirando que irás chegar e as reclamar… o meu rosto, ergue-se perante a escuridão pronto para receber o teu beijo, os meus lábios umedecidos abrem-se… e fecham-se sobre o vazio…

Deixar uma resposta