Visita de rotina ao Ginecologista

doctor

Texto Erótico|M18

Uma ida de rotina ao Ginecologista, um calor insuportável e o tempo de espera um caos.
Aguardava que me chamassem quando os meus olhos pousaram num homem por volta dos 40, cabelo meio grisalho, olho castanho esverdeado, bem constituído. Ele era imponente e a forma como o olhar dele cruzou o meu, mesmo sentada senti as pernas fraquejarem, aquele olhar cortante como se me lê-se a alma.
Estava tão absorta nos meus pensamentos pecaminosos que nem dei conta de me chamarem. Ate que regressei à terra.
E disse:- Estou aqui.
A enfermeira pediu-me para a acompanhar e aguardar.
Qual não foi o meu espanto quando o médico que me ia atender era o mesmo homem da recepção.
O meu coração acelerou, as pernas fraquejaram, senti me inspeccionada da cabeça aos pés por aquele olhar penetrante. Cumprimentou me. as minhas mãos tremiam e suavam, nem sei se reparou.
Começou a fazer as perguntas de praxe. Se tinha relações, se tinha tido algum problema barriga, blá blá…
Nem me recordo que respostas dei. Estava hipnotizada.
A minha mente presa naquela figura de homem enigmática e colada a cadeira nem o ouvi falar para mim.
Ate que me chamou pelo nome. E cai na realidade.
– Pode passar para a marquesa? Gostava de a observar. – Disse ele. Olhei-o nos olhos e no canto do olho vi um brilho de safadice quando me disse que queria observar. Interroguei me.
Respondi:- Sim, claro!
Despi-me da cintura para baixo como e habito nestas consultas.
Deitei-me e, a enfermeira colocou me um robe sobre as pernas e saiu.
Sentou-se a minha frente e sorriu disfarçadamente quando me olhou para a vagina. O que tinha de especial para se rir??
” Faço sempre a depilação, seria por isso??” Senti me desconfortável e retraída.
Colocou-me o famoso bico pato (que muitas mulheres odeiam), retirou o que precisava para analise, e depois vi-o colocar gel nos dedos para verificar se existia lesões internas.
– Esta a sentir alguma dor, nos pontos que estou a tocar?
Respondi meio a seco:-Não!
Pensei que estava tudo despachado, mas qual não foi o meu espanto que os dedos dele começaram a fazer outro tipo de movimento.
E, comecei a ficar excitada, a minha respiração começou a acelerar.
Pergunta me de novo:- Esta a sentir algo, agora?
Mas desta vez vi o olhar dele de excitação e o sorriso safado de que sabia o que me estava a fazer.
Ia-lhe responder mas da minha boca saltou um gemido. Acelerou os dedos dentro dela ate me sentir quase no ponto.
Parou. Desapertou as calças retirou aquele membro grande, grosso e já teso para fora e penetrou-me sem dó nem piedade. Foda-se!!! Ia perdendo a respiração quando o enterrou todo dentro de mim.
Ia soltar outro gemido, quando senti a sua boca colar a minha para me silenciar o gemido. Deu me estocada atrás de estocada e os meus gemidos iam sendo abafados por aquele beijo selvagem e doce.
Levantou me as duas pernas de forma a enterra-lo todo. Sabia que ia ser o remate final e que iria me vir compulsivamente.
Não esperava foi que ele encontrasse o meu ponto G. Ai foi o descalabro, pois não me aguentei precisava de gritar de prazer e estava privada por aqueles lábios carnudos.
Estava atingir o climax e ele também.
Mordi-o no lábio para não gritar, deu um passo atrás de dor e prazer. Sim de prazer…
Porque parte do leite dele escorria pela minha cona e o resto foi despojado no meu ventre. Agora era eu que o olhava com ar de cabrona. Provocadora, espalhei o leite por entre as minhas pernas e saboreie o que tinha nos dedos. Hummm…
Levantei.me, limpei-me e vesti-me a frente dele, sem pronunciar uma única palavra. Só os nossos olhos comunicavam e queriam mais, muito mais.
Regressou à secretaria, prescreveu-me um medicamento e a data da próxima consulta.
Pela primeira vez as nossas mãos tocaram e deu faisca.
– Obrigada por tudo.- Disse-lhe com ar de gozo.
Respondeu:- Espero que fique bem. Sem tirar os olhos dos meus.
Sai. Fui ver a data da consulta, qual o meu espanto vejo o contacto telefónico dele e um “Até muito breve”.
Sorri. Queria outra dose.
Iríamos ver….
Lola #69Letras

Deixar uma resposta