Nunca mais te vi desde esse dia…

Texto Erótico|M18
Foi a mais ou menos quatro anos numa das ultimas noites de calor que estivemos juntos pela ultima vez. Eu estava tão apaixonada por ti… Por que raio? Hoje penso em ti e sinceramente só sinto repulsa. Mas bom… Naquela altura era a ti que te queria. Foi uma noite arriscada mas que me ficara na memoria. Lembras-te?
Estávamos naquele bar perto do centro comercial. Já não estávamos juntos, até porque me trocaste por outra. Mesmo assim continuava a provocar-te da melhor maneira que sabia. E tu adoravas cada instante. Amavas a minha boca, os meus lábios carnudos e a minha língua… Com o olhar fixo em ti e ignorando os nossos amigos a volta, passava a minha língua pelos meus lábios com movimentos bem lentos. Dava-me um imenso gozo ver-te a remexeres-te na tua cadeira. Passava os meus dedos disfarçadamente com os teus olhos fixos em cada movimento que eu fazia. A tua tesão crescia e tu nada podias fazer.
Começaste a enviar-me mensagens e mandaste-me ir ter ao teu carro. Desculpei-me dos outros a dizer que tinha de fazer um telefonema. Pouco depois vieste também tu. Encostaste-me de costas voltadas para ti contra o carro e fizeste pressão contra o meu rabo para sentir essa tua tesão enorme. Sussurraste-me ao ouvido que me ias castigar e mandas-te me entrar no carro. Com o meu olhar de desafiadora disse que não. Com uma mão agarraste-me no braço e com a outra abriste a porta do carro. Empurraste-me para dentro. Entras-te também, ligaste o carro e não falamos mais uma palavra. Só paraste quando chegamos a zona industrial que ficava la perto. Estacionaste entre uns camiões e saíste do carro. Abriste a minha porta e eu saí para fora. Queria-te perguntar o que fazíamos ali, mas nem me deste tempo de dizer um ui.
Agarraste-me pelo cabelo e beijaste-me com uma intensidade que nunca antes tinhas feito. A tua tesão roçava em mim. Levei as minhas mãos ao botão das tuas calças e abri-as. Puxei as calças e os boxers para baixo e senti o teu pénis a saltar erecto contra as minhas mãos. Comecei a massaja-lo lentamente, soltas-te um gemido. Olhaste para mim sem dizer uma palavra. Quem falou foi o teu olhar. Suplicavas-me para te saborear com a minha boca. Desci e ajoelhei-me em frente a ti. Passei a minha língua na ponta e vi o prazer nos teus olhos. Massajando com as mãos e passando a minha língua em volta dessa tua tesão gostosa, lubrifiquei-o todo. Comecei por chupar só a ponta… O teu olhar escureceu. Eu sabia que estavas a adorar cada segundo. Envolvi-o todo com a minha boca e com movimentos rápidos e sugadelas, fiz-te vir quase na minha boca. Mas cabra como sou parei antes de te vires. Ficas-te a olhar para mim com cara de incrédulo. Respondi-te que não era a tua noite de prazer mas sim a minha. Só tive tempo para me levantar. Ajoelhaste-te em frente a mim, baixaste-me as calças e puxando a minha cueca molhada para o lado, começaste a penetrar-me com os teus dedos e a tua língua habilidosa. Fizeste-me vir ali mesmo com um orgasmo bem intenso. Paraste… Tiraste-me a camisola e com um movimento rápido abriste o meu sutiã. Tiraste-o e começaste a massajar e sugar os meus peitos. Levei a minha mão direita ao teu pénis e massajei ao mesmo ritmo que me sugavas os bicos. Viraste-me de costas para ti e debrucei-me em cima do capo do carro. Enfiaste dois dedos na minha vulva, retiraste-os e penetraste-me com uma brusquidão enorme. Fodeste-me ali mesmo, e presenteaste-me com dois orgasmos intensos antes de entrares também tu em êxtase.
Depois de recuperarmos o fôlego vestimo-nos e voltamos para o bar. Nunca mais te vi desde esse dia…

Deixar uma resposta