Não tinhas o direito! Não podias…

 

Porque é que o fizeste?

Fotografia: Via Tumblr
Estavas a tentar provar que afinal não sou feita de gelo? E agora que já sabes que por baixo desta capa ainda existe a mulher que um dia tocaste, o que é que tu vais fazer? Se nada é a resposta então já te digo que te devias ter deixado ficar por aí… pelo nada. Valia mais!
Não tinhas o direito! Não podias…
Não podes chegar e beijar-me! Dar-me a mão e descobrires-me frágil perante o teu avanço já que não tens intenção de me amar! Não podes dar á minha boca o refresco que é o teu beijo, não podes sacudir o meu coração e deixar-me assim sem saber para onde ir e o que fazer com este gostinho de felicidade com que pintaste meus lábios.
Não se faz.
Foste o verão que nunca esqueci, foste a luz da minha noite, tocaste-me genuinamente como antes nunca fora tocada, e eu tenho saudades disso! De quem eu era ao teu lado, mesmo que tenha sido breve, a mulher que conheceste é a mesma por quem sinto saudades. Tu foste e ela escondeu-se… fechou-se numa concha, pérola essa que nunca mais foi alcançada como um dia tu a marcaste…

 © ?Cátia Teixeira, Vizinha 69 Letras 2015

Deixar uma resposta