Ah!… O Amor!

image

Embora nos dias de hoje se diga que “Amo-te” por mero interesse, por negócio ou por dar jeito para não perder umas boas noites de sexo, não tendo o mínimo significado e tornando a palavra banal, ainda há quem ame de verdade e sentindo.
Esse amor, porém, não é para todos e é um segredo que os olhos não sabem guardar, é denunciado com facilidade pelo seu brilho, pelo seu sorriso no olhar e pela vontade de rir por tudo e por nada deixando-nos meio tolos, presos numa teia da qual não nos conseguimos libertar e que aparece do nada quando menos esperamos.
É um sentimento indescritível por palavras e tão desmesurado e incalculável que só sentindo, sente-se um furacão de emoções que serena todos os ventos fortes que nos vão assolando e que nos tentam derrubar, mas esse sentir tão intenso tudo combate, tudo cura, torna tudo tão mais belo e o imperfeito em incondicionalmente perfeito, ama-se tanto qualidades como defeitos, ama-se o “eu” na verdadeira essência, completo, e torna o impossível em insanamente possível derrubando todas a barreiras do expectável.
O verdadeiro amor acontece por empatia, por atracção, por cumplicidade e pela conjunção de várias variáveis que o tornam numa equação perfeita de fácil resolução quando as almas se entregam e os corpos se unem num só, serenando demónios e libertando anjos que se rendem ao prazer desses lados mais negros, mais ocultos, que todos temos.
Não se ama outra pessoa pelo que ela tem, ou o que veste, ou do que gosta, ama-se pelo mistério, pela maneira de seduzir, pelo toque, pelo cheiro, pela química e pela paz que essa pessoa nos transmite.
E quando estamos em paz tudo desabrocha, tudo se torna mais bonito, mais fácil e a vida torna-se leve, ama-se, ama-se no verdadeiro sentido da palavra, e, porque a vida sem amor não faz sentido…  Amem!!!

Miss Kitty

Deixar uma resposta