Obrigado Patrão

patrao

? ? ?
Hoje estou possuído pela devassa.
Já andas há demasiados dias a acicatar-me o corpo e a mente no caminho para casa, de vez em quando o patrão acerta na escolha de funcionários, esse teu ar de inocente, esses olhos verdes intensos e insinuantes, esses lábios carnudos perfeitamente desenhados, esse corpo esculpido pelo ginásio.
PORRA!! E que corpo! O teu peito desafia as leis da gravidade e tu sabes abusar dos decotes com classe, passas o trajecto para casa a massajar-me o sexo, quando chegamos atacas-me com beijos e sais a correr com sorriso de traquinas, fico num estado impróprio.
Além da erecção, não sei se fique danado, se feliz com o atrevimento.
Mas hoje, não me aguento. Essa mini-saia onde não consigo detectar sequer uma tanga ou fio dental já me deixou acelerado, quando te abro a porta do carro como um cavalheiro confirmo as minhas suspeitas. Não trazes nada por baixo. No caminho o mesmo filme, mas desta vez, acaricio-te a vulva e retribuo as provocações. Já gemes.
Cada vez mais intensamente, de repente mordes o lábio inferior e contrais-te. Os meus dedos estão todos molhados, vieste-te. Tentas recompor-te, não deixo. Paro num descampado perto de tua casa, abro-te a porta e estendo-te a mão. Aceitas, sais.
Beijo-te profundamente enquanto te tiro o top, acaricio os teus seios magníficos, os mamilos duros e erectos a pedirem a minha boca quente, satisfaço-os. Sorvo-os. Estremeces.
Deito-te no capôt do carro ainda quente, subo a tua micro saia e atiro-me boca e língua à tua vagina, enfio-te um dedo em cada orifício enquanto derreto o teu clitóris na minha boca ávida. Faço-te vir novamente, misturo os teus sabores no meu palato, sem te dar tempo para recuperar sequer. Entro em ti com toda a tesão e dureza que já não conseguia conter em mim, sou gentil de início depois… aprofundo as estocadas e acelero, pelos teus gemidos e gritos estás pronta para mais um orgasmo. Vais ter a minha vingança e vais adorar, vens-te. Saltas para o meu colo ainda com ele entalado, beijas-me sofregamente e abraças-me com vontade ajustando-te para o ter todo dentro de ti.
Satisfeita, pulas. Ajoelhas-te sob as minhas calças no chão e abocanhas-o, sentes cada nervura na ponta da língua, chupas-me os testículos docemente, voltas a engoli-lo. Agora sou eu deitado no carro enquanto me consomes nesses lábios maravilhosos, venho-me na tua língua, absorves tudo com um sorriso, voltas a trabalhá-lo no fundo da tua garganta até ele endurecer novamente.
Paras. Dobras-te sobre o carro, que vislumbre fantástico!, Um cú irresistível no cimo dessas pernas musculadas, esses glúteos a convidarem-me a entrar e eu entrei, lubrificado pela tua boca possui-te completamente, primeiro o teu ânus, depois a tua vagina, novamente o teu rego. Subo-te uma perna para to enterrar mais fundo dando o ritmo no puxar das tuas nádegas contra o meu ventre.
Arranhas a pintura de loucura e tesão, gritamos os dois enquanto nos vimos ao mesmo tempo.
Que delícia!!, Saboreio os nossos fluidos enquanto recuperas, fazes-me o mesmo, procuro o teu top e ajudo-te a vestir, seguro a tua face entre as minhas mãos, beijo-te ardentemente. Dizes-me a rir “- Valeu a pena picar-te, adoro que me devorem como um animal. Tinha que te descontrolar. “.
Minha provocadora, se sonhasses, eu sou sempre um animal…
Bastardo #69Letras

Deixar uma resposta