Vou te deixar…

Vou te deixar, não sei se por breves instantes,
porque o tempo quando se deixa é tão mas tão relativo,
que a vida que pensamos deter em mãos igualmente semelhantes,
bombeia numa velocidade tal que a saudade não é mais que um adeus furtivo.
Constroem se casas pelos alicerces, sobrantes dos despojos passados,
edificam se campos inférteis em que nascem plantas austeras,
soçobram pontes virtuais em ervas daninhas de quintais esfumados,
e o corvo imita vozes de paisagens e sonhos que não passam de quimeras.
Gostava de te poder dizer que não te sinto,
que a vida não e mais do que um canto de ópera audível,
que o riso das crianças no parque é o meu riso sucinto,
que a nascente de agua, é sede de teu corpo sensível.
Mas não digo, não sei até, se o amanhã será hoje,
ou até o agora, que passa num piscar de olhos em volta de mim,
que os segundos em que te encolhes no frio da noite que me foge,
ou a manhã que nasce, e que me recolhe no meu fato de cetim.
Vou vestir uma gravata de saudade, e na lapela levar o teu cheiro pendurado,
em meus bolsos recados penteados em folhas de cartão com teus poemas e versos,
na minha carteira a imagem de teu rosto num peito de coração marcado,
pelo vida que não deixas viver nesta saudade de efeitos diversos.
Vou te deixar, não sei se por breves instantes,
deixo te a janela aberta, para te puderes debruçar,
deixo te toda a lua cheia e todos os quartos minguantes,
e as marés que trazem cores vivas das anémonas do mar.
Segura te com as mãos em minha vida de imagem secreta,
sentindo que aquilo que trago por mais vantagem em teu peito descoberto,
é ser teu jeito, tua marca na cama em leito de nossa vontade escondida e aberta,
de um dia voltar e nesta saudade de não ficar, ser teu poema quente de livro aberto.
Vou voltar, espero que em tempo marcado e viagem tomada,
espero que em lugar sentado e descanso de tua casa de silencio,
ouvir da tua boca que a saudade que tenho não e maior do que a da tua boca calada,
e sentir que volto, no teu sorriso para o um lugar que ainda pertenço.

 

Deixar uma resposta