Sabiamos que estavamos destinados…

Porque será que os olhos são os primeiros a denunciar qualquer emoção, por muito que queiras esconder.
Nunca me passaria pela cabeça que um simples olhar desinteressado pudesse provocar uma cadeia de sensações, emoções.

Encontrei-te por acaso, da minha janela estava aguardar a chegada de um amiga, quando os nossos olhos cruzaram se. Fixaram-se um no outro parecia uma eternidade. Mas foram segundos.
Segundos em que eu soube que era contigo que queria partilhar a minha vida para toda a eternidade.

Esboçaste um sorriso tímido, esses teus olhos cor de amêndoa e penetrantes, deixaram-me sem fôlego.
Senti-me ruborizada. O meu coração disparou como uma bala, sufocando a minha garganta, as minhas cordas vocais..
Passaste tão perto de mim, que quase senti o teu toque, o teu cheiro inebriou-me.

Disseste “Olá!” e nem consegui pronunciar nenhuma sílaba. Só um sorriso meio envergonhado e tímido.
Que vergonha!
Dois tímidos, sem saber como iniciar a conversa. Mas tu tomaste a iniciativa, convite para uma café, só conseguia abanar a cabeça afirmativamente, pois continuava sem falar.

No dia seguinte depois do jantar saímos para beber um café, soltei um pouco mais a minha língua. A conversa ficou menos desconfortável.
Virei a minha cabeça para te perguntar algo, mas…fui abafada com um beijo selvagem e terno ao mesmo tempo. Os teus lábios bem torneados, tão doces na minha boca, não tinha vontade de parar de te beijar.
Senti o meu corpo estremecer e notei que também não eras indiferente.
Saímos do café e fomos dar uma volta ao jardim, estava deserto.

A noite estava amena, bastou um olhar e senti de novo o peso de desejo dos teus lábios, mas desta vez senti a pressão do teu corpo másculo contra o meu.
Mesmo sentada senti as minhas pernas perderem a força, o meu desejo de te ter era cada vez maior.
Agarraste no meu pulso e puxaste-me para o teu colo, as tuas mãos começaram a percorrer cada curva, deixando um rasto de tesão e desejo. Viraste-me para ti e por entre as minhas coxas pude sentir a tua virilidade bem acesa.

Enquanto me beijavas, não resisti e abri-te o fecho das calças, tirei-o para fora e senti-o bem teso na minha mão.
Levantaste a minha saia e ajeitaste as minha ancas de encontro a ele. Soltei um gemido de prazer ao mesmo tempo que o afundavas em mim. Vi no teu olhar o desejo que tinhas de me possuir.
Esquecemos tudo à nossa volta. Fizemos amor ali naquele banco de jardim com a lua cheia como testemunha.
Bastou um olhar e desde essa noite, muitas outras noites de prazer tivemos.

Sabíamos que estávamos destinados. O nosso amor ainda permanece, ainda vinga nestes anos de união.

LOLA #69Letras

946191_1677902105788853_1437923730680555391_n

1 comentário a “Sabiamos que estavamos destinados…”

Deixar uma resposta