A minha imaginação divagava com ele por perto

TEXTO ERÓTICO M|18 🔞🔞🔞🔞🔞🔞


Conhecemos-nos na cafetaria da universidade e todos os dias os nossos olhos cruzavam-se e não pronunciávamos uma única palavra. Só um simples sorriso.
Ele tinha um 1,74, olhos pequenos e cor mel, feições rudes, cabelos pretos mas com raiados de alguns brancos. Corpo atlético bem delineado. Cada vez que o via passar perdia-me, a minha imaginação divagava.

Um dia, quando nos cruzamos, ouvi a sua voz grossa e rouca a convidar-me para jantar, senti o meu coração acelerar de excitação. Já há muito que ansiava esse convite, mas nunca pensei que fosse para um jantar. Balbuciando aceitei.
Trocamos os nossos números telemóvel.
Mal tinha acabado de sair de ao pé de mim, recebi um SMS:-” Adoro o teu cheiro. O teu corpo. Veste algo sexy. Vou-te buscar as 19h.”

Tomei um duche, passei o óleo de amêndoas doces pelo meu corpo.
Vesti uma lingerie preta, meia de liga, o meu vestido preto com decote em V nas costas e na frente, salto alto.
Passei pelos ombros o meu casaco de pelo, ouvi tocar a campainha.
Abri, era ele.
Senti os seus olhos transformarem-se de luar para sol, extasiado e de boca semi aberta, estendeu a mão, sorriu e disse:- Vamos!” – Assenti.

Fomos o percurso todo calados, a ouvir uma música soft e envolvente. Senti-a a mão dele de vez em quando à procura da minha e olhava-me de relance, como se quisesse dizer que estava tudo bem.
Chegamos a um edifício que impunha respeito, fachada medieval, o porteiro abriu-nos as portas e subimos até ao ultimo andar.

Quando chegamos o apartamento quase que parecia uma penthouse, se não fosse o o tecto em abóbada, com imagens de santos, as paredes de cor purpura, a iluminação a meia luz e musica ambiente soft. O que me deslumbrou mais a atenção foi a paisagem, o vitral da cidade a noite visto do lado dentro.
Senti-o tirar-me o casaco, sobressaltei ao sentir a boca dele, os lábios que me queimavam a carne a passar suavemente pelo meu ombros desnudados, pelo meu pescoço. Arrepiei-me..
Virou-me para ele e beijou-em apaixonadamente, sofregamente, as minhas pernas viraram borracha. Ele sentiu e abraçou a minha cintura e puxou-me ate ficar colada ao corpo dele e sentir toda a sua virilidade no auge.
Despiu-me o vestido, pegou-me ao colo e coloco-me em cima da mesa vidro. À luz do luar e da meia luz, apreciou admirar o meu corpo, até voltar de novo ao ataque, como se eu fosse um presa.

Beijou-me os lábios, desceu pelo meu pescoço, entreteve-se pelos bicos do meu peito. Senti a sua língua quente percorrer o meu corpo até ao umbigo, como se fosse um rio. Abriu-me as pernas e afundou-se naquele lago de prazer.
Arrancou-me gemidos, fez-me entrar em erupção e não satisfeito…Penetrou-me. Senti-me meia a desfalecer de tanta tesão e prazer, aquele membro que deslizou até ao meu ponto G, fazendo o meu corpo delirar, vibrar.
Não me aguentava mais, soltei um rugido, um grito de prazer daqueles que vem do fundo da alma.

Senti que ele também não aguentou, abraçou-me e senti a sua voz rouca gemer até sentir toda a essência dele.
Pegou em mim e levou-me para o quarto…
Pensei que tinha ido para jantar, no entanto saltamos do jantar para a sobremesa…

©LOLA 2016  #69Letras

 

Deixar uma resposta