Vem como és, sem vaidades ou manias!

11222800_1627479707497760_4890258065581968239_n

 

Hoje, entre quatro paredes, apetecias-me,
por isso vem, vem sem demagogias, ou ideias pré-formatadas,
vem como és, sem vaidades ou manias,
entra de rompante e atira-me ao chão,
rasga-me todo e monta-me com voracidade, com dureza,
enterra as tuas unhas na minha carne e faz caminhos na minha pele,
grita, esperneia, solta a fera que há em ti,
fode-me com toda essa vontade que tens e dizes que me queres foder,
não falhes, não te atemorizes, não mostres receio, não vaciles, não recues.
Sai pela mesma porta com que entraste e não olhes para trás,
caminha segura e de cabeça levantada, erguida na tua forma de mulher.
Exausto ficarei á tua espera, porque tu vais voltar.
Levarás tatuado no teu corpo, a teia que há tua volta subtilmente teci.
Mulher, quando voltares desta vez , será para te eu te comer.
Desta vez mulher, vou enredar no meu corpo a tua alma.
E desta vez quando saíres pela porta vais carregar o meu peso em ti.

Rasputin

Deixar uma resposta