Mais palavras para quê?

63b0189ba871a2ac1681455cef4a9928

Na fotografia: Cara Delevingne

Enrolada nos lençóis, despida, oiço-te ler com o roupão preto vestido, a fumar o teu cigarro eletrônico iluminado pela luz amarela da mesa de cabeceira.
Escondi o rosto no cabelo e com os dedos desenhava caminhos invisíveis nos lençóis, enquanto lias.
Sem palavras, envergonhada, corada, maravilhada, ouvia-te ler sobre nós.
A nossa história. O nosso primeiro olhar. O primeiro beijo e a primeira noite de amor.
Reparo mais uma vez, que nada sei do tanto que quero saber de ti. Nunca imaginaria que traduzisses momentos em papel, muito menos que um dia te ouviria contar a perspectiva da nossa história através de uma folha de papel.
Mais palavras para quê?
Cada vez mais os nossos encontros serão mais espaçados, mais distantes, e esse é o caminho a percorrer. Tive a certeza quando te aninhaste a mim, e adormeci com a tua respiração no meu pescoço, algo que me irrita e tira do sério, mas a tua, tranquilizou-me, sossegou-me.
Mesmo depois de tanto tempo, algo em mim insiste em te querer,
sei queo posso mais te ver.

Deixar uma resposta