Duelo de escrita: Ela Vs RICCo

12249701_1626669260912138_8795973391630470232_n

Ela vs RiCCo

Ela

Julgavas que te empurrava efusivamente,
que te encostava a minha mão aberta ao peito
e te dizia “vai embora e não voltes!?”
Fi-lo, fi-lo mas ao contrário:
abri a mão com fervura e puxei-te pelos colarinhos
da camisa xadrez e com os dentes abri num ápice
os botões que te compunham…
Queria-te selvagem, rasgado, despenteado e com
a barba desalinhada.
Deixei as marcas das minhas unhas peito abaixo até chegar
lá. Lá onde as unhas deram lugar a carícias ritmadas, molhadas,
suadas e sôfregas.
Onde o prazer carnal convida ao apito final, ao êxtase total…
As calças e os boxers pelo chão denunciavam o que se passava ali,
onde o dia se fez noite e a madrugada escrevia letras nas cortinas
da luxúria.
Haviam flashes vermelhos nas paredes e onde pensavas que te anulava,
multipliquei-te vezes e vezes sem conta…
Levei-te ao céu, mas antes passámos no inferno para saborear o pecado
antes das juras eternas.
Foste homem de uma forma que a tua testosterona desconhecia e eu o
motivo desse desejo imenso, perpétuo, infinito.
Julgavas que partias e afinal…
Vieste, vieste-te como nunca!
E eu,
do meio das minhas pernas dei-te as boas vindas.

vs

RiCco

Numa qualquer noite deste inverno, o desejo de ser dominado apoderou-se do meu ser, queria o teu toque bruto e sensivel, percorrer todo o meu corpo sinto que por momentos serei teu escravo onde obedeco mesmo que o sofrimento seja certo, amarras-me como animal preso cheio de vivacidade, mantenho-me pávido e sereno ansioso pela tua atitude dominadora vem ao meu ouvido e sussurra, beija-me o corpo centimetro a centimetro, reviro ja os olhos sinto-me subjugado a tanto prazer impiedosa deixas-me controcer e olhas risonha sabes que estou sobre dominio, sentas-te em mim como de um poltrona se tratasse e usas-me para tua satisfação. Acabas o teu desejo e o meu. Sabe bem ser dominado por vezes, vem e domina-me.

Deixar uma resposta