DESCONHECIDO

Quem é que nunca sonhou e sentiu um enorme desejo pelo desconhecido….Surgirem do nada acontecimentos que nos levam ao auge, que se tornam irresistivelmente excitantes, sedutores…….Pois são esses momentos que nos marcam e nos fazem sentir cada vez mais vivos. Deixo-vos aqui algo parecido…..

Estavamos todas num café onde habitualmente nos costumamos encontrar.é um sitio acolhedor, com luz baixa e sedutora e musica ambiente. É um local que é frequentado por todas as idades.

A conversa era tão divertidas que, nem demos conta de um grupinho de homens que tinham entrando e sentado a nossa frente. Passado alguns minutos senti algo….o meu olhar deixou de estar concentrado na conversa que estavamos a ter e, passou a percorrer a sala até deparar com o olhar penetrante de um dos homens que tinham chegado. A forma de olhar foi tão intensa que nem um nem outro conseguia desviar o olhar.
Uma das minhas amigas é que me fez regressar a Terra e perguntou-me se estava tudo bem, disse-lhe que sim, mas o olhar inquisidor e malandro dela deu para entender que eu estava a mentir.Retorqui ao olhar dela dizendo que tinha achado interessante a mesa em frente a nossa.É óbvio que não lhe disse que o olhar daquele homem me fez um calafrio na espinha, e pôs o meu coração a bater cem mil à hora.
Por muito que eu quisesse tomar a tenção à conversa o meu olhar desviava sempre para aquela mesa e ia ao encontro do olhar dele.
Não era aquele género de homem modelo, mas tinha uma figura marcante e atraente para um homem que aparentava entre os 35-40 anos, olho claro, moreno e cabelo castanho claro, corpo possante, bem constituído e com um sorriso capaz de me derreter.

Após algumas horas de conversa, e olhares meus furtivos para a outra mesa, elas decidiram sairmos dali para uma discoteca. Pagamos a conta e quando iamos a virar a esquina do bar, senti alguém a agarrar me. Olhei para trás e para grande surpresa minha, o homem que tinha passado a noite a trocar olhares furtivos comigo, estava a segurar o meu braço e a perguntar se podia me dar uma palavrinha em privado. As minhas amigas olharam para mim e para ele e retornaram a olhar-me mas, com aquele olhar de malandras como quem diz ” ele vai te querer papar toda, hoje não escapas” (risos), só me disseram esperamos por ti no carro, eu assenti pois elas não poderia ir muito longe porque tinham vindo no meu carro.

Ele levou me para um sitio mais recatado, longe de alguns olhares do bar. Apresentou -se, mas se querem que vos diga, não me lembro. A ansiedade, os nervos e o calor e calafrio eram tantos que não conseguia nem sequer pronunciar o meu nome, até que por fim consegui balbuciar e disse que me chamava Maria.
Senti que cada vez que os nossos olhares se cruzavam, o meu coração disparava, de desejo com uma vontade enorme de o sentir, de ter aquele corpo nu de encontro ao meu, sentir o calor da voz dele no meu ouvido, senti-lo a possuir me.
Não sei o que os meus olhos lhe transmitiram ou se ele estava a pensar no mesmo, sei que do nada, senti os labios quentes e humidos junto da minha boca, o meu corpo fervilhou de encontro ao dele.

Encostou me num canto do prédio, baixou-me a alça do vestido e passou a mão dele pelo meu peito, arrebitando-o, deslizando a boca dele da minha descendo pelo meu pescoço até ao mamilo. Senti um arrepio na espinha quando senti a ponta da língua a fazer movimentos circulares e a mordisca-lo. A outra mão percorreu a linha do meu corpo, ate ele me levantar um pouco do vestido e enfiar a mão no meio das minhas pernas…Senti a minha pulsação a aumentar, a ansiedade era cada vez maior…..Desci a minha mão ate senti-lo, não era só eu que estava a fervilhar, ele estava a entrar em fase de erupção.
Não esperei por autorização, desapertei-lhe as calças, enfiei a mão por dentro dos boxers, ouvi um gemido dele, quando sentiu a minha mão e eu senti o membro dele aumentar… Beijou me de novo, só que desta vez mais sôfrego, desviou me as cuecas e enterrou me o membro dele……ia soltar um gemido mas foi abafado por um beijo dele…A sensação de o sentir todo erecto, sentir as veias a latejar de tesão dentro de mim , cada golpe que me dava, mais o meu desejo e os meus gemidos iam aumentando…ate k o contorcer dos nossos corpos chegou ao auge e……explodimos de tanto desejo……
Depois dessa noite nunca mais o vi……mas recordo me como se fosse hoje…..

LOLA

desconhecido1

Deixar uma resposta