Arquivo de etiquetas: mulher

Os teus lábios feitos para mim…!

Já pensei em te ter…
Sentir o teu cheiro…
Saborear os teus lábios!!
Sim…
Saborear…
Não foram feitos para serem devorados…
São delicados e perfeitos para serem tocados…
Sentidos…
Suavemente beijados…
Aquecidos pela minha vontade!!
Esculpidos para soltarem leves gemidos…
Enquanto os meus…
Percorrem o teu pescoço…
Têm a forma perfeita para deixarem passar suspiros, de cada vez que minha língua percorre levemente aquela zona onde a tua orelha termina e a pele se mistura com esse belo cabelo…
Os teus olhos em mim cravados…
Perdido que fico ao beijares o meu peito…
Suavemente…
Aqui e ali mordiscando…
Descendo…
Esperando pelo meu desespero de os sentir me sorver…
Não!!
Não quero truques …
Quero ver nos teus olhos o gozo de me teres na tua boca!!!
Sim…
Nada supera uma boca apaixonada…
Seja nos beijos ou no ter…
Os olhos que pedem que a possua …
Os mesmos olhos que deliram com o meu retorcer de prazer!!!
Sim…
Penso em te ter…

©Read Mymind 2017 #69Letras

Apetece coisas loucas! Apeteces-me tu!

As vezes apetece coisas loucas…
Apetece que sejas minha!
Minha talvez não…
Gosto de animais a solta.
Em cativeiro perdem o brilho…
Apetecia…
Apenas isso…
Nua…
Sorridente e quente…
Apetecia sem muito que falar…
Para quê falar com o tanto que me apetece te fazer…???
Tudo tem de ser falado?
Explicado?
As palavras tiram o tempo dos gemidos…
Desgastam as vontades em vãs procuras…
Somos corpo e vontades…
Desejo e tes@o…
Não somos jovens loucos a procura de algo novo…
Sabemos o que queremos.
Passamos o tempo dos mistérios…
Porque não desfrutarmos um do outro?
Sem procurar segredos e penumbras…
Guardemos as sombras para esconder eventuais vergonhas.
Fiquemos pelos lençóis molhados dos nossos suores…
Esses não precisam explicação…
As mãos que a ti, toda procuram sentir…
Os meus lábios sequiosos dos teus…
Teus seios tesos de apetite do meu sugar…
São frases com começo, meio e fim!
Sem pausas e vírgulas!
Os meus dedos que te exploram o calor…
A tua mão que me sente a vontade…
Autênticas cartas escritas com o erotismo do saber de nós mesmos…
Que seja eu louco…
A loucura que me explique por palavras tuas onde me perdi em vontades de ti…

©Read Mymind 2017 #69Letras

Vamos brincar?

Olá!!
Vamos brincar de novo?
Deixas usar o teu brinquedo?
Claro que podes usar também o meu!!
Depois devolves ,ok!!!???
Hum… Partir, acho que não parte…
Estás à vontade…
Se tem boas pilhas??
Oh pá…
Qualquer coisa esfregas bem que arrebitam de novo!!
Aquela coisa de transferência de energia…
Eu sei que tu entendes…
És inteligente…
Beijar???!
Os brinquedos são para ser acarinhados!!
Beijar, acarinhar…
Deves beijar!!
Tens lábios perfeitos para beijos sabias???
Vaaa…
É tudo na brincadeira…
Achas que queria o teu brinquedo??
Ai achas??
E tu o meu??!!!
Queres experimentar se sei mesmo brincar??
Não tens vergonha?
Ahhh… Já as perdeste à muito…
Eu também!!!
Vamos brincar os dois…
Sempre na brincadeira…

©Read Mymind 2017 #69Letras

Crônicas de vida de Pedro d’Almeida ( A surpresa)

Estava longe de imaginar o que uma simples sms poderia trazer aquele fim de dia.

O dia anterior não tinha acabado da melhor forma.

Encontros repetidos…

Conversas de circunstância…

Sexo um pouco monótono…

A relação parecia caminhar para o fim…

“Hoje para variar sou eu que mando!

Obedeces!???”

Não consegui conter um riso sarcástico…

“Está bem… Vamos tentar…

Vens cá ter?” Respondi.

Plim!!

Soou a sms…

“Não! Estás disposto a obedecer?”

A curiosidade é

uma arma terrível…

Veremos até onde a brincadeira vai…

“Ok..

Que queres que faça?”

Plim!!!

“Vai tomar um banho…

Quero que te depiles naqueles sítios onde desejas que te beije e acaricie…

Sei que tens assim normalmente…

Hoje quero tudo bem sensível…

Fresco…

Como um mapa para concentrar a minha atenção…

Estás disposto?”

Algo acordou em mim…

“Não preferes que te leve lá a boca?”

Plim!!

“Não!Obedece!”

Plim!!

“Quando acabares, quero que te olhes ao espelho e me mandes foto da tua tes@o! Quero ver se estás com vontade que te chupe!”

Fod@-se… Estás a pedir muito!!

Um pouco contrariado, entrei para o chuveiro.

Conforme a mistura das sensações da espuma com o passar da gillete e a sensibilidade da pele se faziam sentir…

A ideia começou a crescer em mim…

Tornou-se difícil resistir a acalmar-me logo ali…

“És fodid@!”

Pensei…

Enquanto apertava o membro rijo entre a mão!

Como que domando a vontade que me assaltava…
Banho tomado…

Não sou propriamente narcisista…

Mas era difícil estar nu em frente ao espelho e não vislumbrar a sua boca gulosa em mim…

Como um ser transparente que me deliciava com os seus chupões…

Imaginei a sua boca a mordiscar-me…

Estava na hora de me despachar!!!

Queria possuir aquela boca gulosa com urgência!!
Plim!!

“Já está? Não te esqueças da foto…

E aquele creme que costumas usar quando sais sem mim…

Gosto do sabor… 

E do cheiro….

Espalha bem…”
Nada de fotos!!

Já estava excitado quanto baste! Não ia estar a trocar fotos de nus!

“Onde estás!???” 

Plim!!

“Vai ao bar onde trabalha a minha amiga Joana.

Espera por mim…”
Que raio de ideia!!

Tinha desistido de lá ir com ela. Ficava sempre fula de ciúmes…

Digamos,

que o ambiente era bastante competitivo entre as mulheres…

Porquê me fazer ir ali?
Não posso dizer que me desagradou o lugar…

Muito menos a recepção da Joana…

O seu colo pareceu sorrir para mim…

Um sorriso enorme com aqueles seus lábios gulosos!!

E eis que me perco em delírios de memória!!!

Os meus olhos encontram os delas…

Memórias…

Apenas isso…

Fazem parte do que somos.

Passámos o nosso tempo!

“Porra!!”

Mas que me dá vontades … 

Como dá…

“Merd@ de ideia a dela!!”

Devo estar para aqui com

olhos de entesoado esfomeado!

“Demoras??!!!”

Plim!!

“Dá um beijo meu à Joana. Estou à tua espera na minha sala”

Não tenho memória do percurso até lá.

Aquele último beijo nas faces da Joana…

Quentes como as minhas…

“Sim!! Quero possuir alguém!!

Não é a Joana!!”

Pensei…

“E vou me vingar de quem me está a fazer penar!”

Que se lixe o elevador!!

As escadas pareceram fáceis de subir de dois em dois degraus!

“Abres a porta? Queres que toque?”

tic tac…

Responde pá!!!

Plim…

“Entra. Tira a camisola e senta na cadeira…”

Mmm…

Respirei fundo…

Voltar a me controlar!!

Interiorizei…
Saboreando os seus lábios nos meus… Entrei…

Conheço de cor a sala.

Engraçado como o estado de espirito e um ambiente bem acolhedor, pode mudar o sentir de um lugar.

A camisola perdeu-se pelo chão. Sentei-me e aguardei!

As mãos ávidas de sentir a sua pele…

Plim!!

“Coloca a venda que está aí ao lado”

Respondi por mim mesmo, bastava de telefones e merd@s sem calor!!

“Está bem!

Continuemos…

Não posso dizer que está a ser aborrecido…”

Disse, enquanto colocava a venda.
Senti mais do que ouvi o seu corpo a aproximar do meu.

Trazia o cheiro quente de desejo impregnado de um preparo de corpo a pensar em mim…

A sua respiração percorre-me…

Mmm… Desejei que me tocasse…

Precisava terminar a tortura e possui-la!!!
Os seus doces labios tocaram o meu pescoço…

Suavemente beijando o meu corpo…

Sentada na minha perna, o seu calor extravasava o tecido das calças…

Decidida, brincou com o meu peito…

Mordiscando suavemente enquanto as suas mãos percorriam o meu peito, acelerado com a excitação…

As calças ganharam vida…

O meu membro teso e livre de empecilhos chamou pelos seus lábios!!!
Retirei a venda!

Queria ver a sua boca suave e doce que me beijava as virilhas…

Fazendo quase um círculo que se ia fechando até me tomar dentro dela…

Gulosa de mim…

Os seus lábios como o seu sexo tomado de assalto…

Apertaram a volta do

meu desejo e desceram com pressão!!

Fazendo com que soltasse um “Oohhh!!” de satisfação !!!

Esta mulher sabia me enlouquecer!!

Era esta a mulher que queria em mim…

A sua língua brincou com o meu membro preso na sua boca…

Enquanto me olhava com aqueles olhos de vontade de me tomar dentro do seu corpo!!

Louca de necessidade de mim…

Gemeu…

“Vem…

Preciso de ti em mim …

Anda…”

Pegando nela, encostei o seu corpo nu no sofá…

Estava na altura certa!!

Os meus joelhos que se lixassem!!

Queria possuí-la!!

“Da-me a tua boca!!”

“Quero-te beijar!”

Excitados pela visão e sentir de mim a entrar no seu corpo, os nossos lábios pressionaram-se com a força da fome que sentíamos!!!

“És minha!!!”

“Sou…”

Gemeu…

©Read Mymind 2017 #69Letras

Continuo a desejar-te…

CONTEÚDO ERÓTICO | M18
Ai de mim….
todo o meu sangue bombeia desenfreado num frenesim frenético, desde a ponta dos meus dedos até ao alto pronunciado do meu sexo.
No meu peito, sinto palpitações galopantes, descontroladas, com vontades próprias, como que se um mustang sem rédeas pudesse saltar do meu peito a qualquer momento, sem qualquer aviso.
Todos os meus músculos fervem, estão atrofiados, gastos, cansados, a latejar.
Tudo em mim está em ebulição.
Tudo em mim está fora de controlo.
Espalhados pela cama, acumulam-se ainda vestígios de nós.
Podemos ver ainda o nossos sucos misturados. Podemos ver ainda as marcas do teu baton vermelho nas almofadas, que marcaste, quando fora de controlo, as mordeste na esperança de alguma contemplação da minha parte.
No meu sexo, estão ainda cravados os teus dentes, a tua língua, a tua vulva em chama, que descontrolada de tesão, abusou dele sem reservas nem clemencias.
Nos meus ouvidos, estão ainda presentes os teus ais, os teus gemidos, os teus gritos de prazer, os teus espasmos, a tua voz sensual a chamar o meu nome.
Na minha mente, está bem presente ainda esse teu rosto de menina feita mulher, com o meu suco a escorrer-te pelo rosto, em contraste com em esses olhos meigos que me fizeram desejar-te.
Quero dormir, preciso repousar um pouco, recuperar as minhas forças, preparar a tua chegada.
Demoras? …..
Continuo a desejar te…..
#PSassetti #69Letras 16.05.2017

Perfeitamente imperfeita

As minhas linhas tortas endireitam-se ao teu toque, aos teus olhos todas as minhas imperfeições são doces palavras de contemplação…

Os meus movimentos são fluidos, flutuo nos teus braços e a graciosidade é minha parceira… Mais mulher que isto não me consigo sentir.

Eu, que no meu estado natural reconheço todas as minhas grossuras e bestialidades, olho agora para elas com um sorriso, não que as queira longe de mim mas porque me sinto próxima delas de uma forma que não sentia antes…
O primeiro pensamento é que o cabelo está ainda mais desalinhado que o normal, mas a primeira palavra que sai da tua boca é “Linda” e então nada mais importa… As minhas curvas são suaves debaixo do toque de seda, os seios encaixam nas mãos como se algum arquitecto divino tivesse desenhado estas duas peças para encaixar…
O olhar molda-me em forma de deusa, os lábios beijam-me os pés e vestem todo o meu corpo de flores…

Para ti sou rainha mas sou eu quem está rendida aos teus encantos…

Esses que me lanças com essas pérolas que chamas de olhos enquanto estou perdida em pensamentos…
Sou energia, sou linhas traçadas no tempo e no espaço, sou mulher, sou sexy, sou marca(s), sou desejo, sou movimento…

© Vicky M 2017 #69letras

Obs: texto inspirado na gravura de Déa Azevedo. Obrigada!

Nas nuvens

TEXTO EROTICO | M18

 

Lisboa 07:30h,

Ela odeia chegar atrasada seja onde for, quanto mais para apanhar um avião.

– Mas onde foram parar os meus patins? – Ah! Escondidos atrás do tapete de ginástica. Sempre desarrumada. Sempre uma cabeça no ar, ai Lola… Lolita…

Saiu a correr, estava atrasadíssima, tão atrasada que quase que se espalhou ao fazer sinal ao táxi que passava naquele exato momento à sua porta.

”Segura-te mulher, não caias!” – Vociferou em surdina.

– Para o aeroporto, o mais rápido que puder, se faz favor. Senão perco o avião.

O motorista sorriu do seu jeito desajeitado, mas acedeu ao seu pedido, de tal forma, que passados 10 minutos estavam já no aeroporto. “Acho que voamos” pensou ela.

Com um pé dentro do aeroporto e com as malas de arrasto atrás de si, lá fez o check-in tardio ao balcão.

Estava de tal forma esbaforida e cansada de tamanha correria, que a menina que a atendia acabou por perguntar-lhe se estava bem, para logo de seguida lhe dizer:

“Então você não sabe que pode fazer o check in online? Olhe que é bem mais pratico”.

Ela corou, apenas acenou com a cabeça e sorriu. Estava de tal forma agitada que quase que lhe arrancou o bilhete da mão sem perceber qual era a porta embarque.

A correr feito doida sem saber bem para onde, entrou na primeira que lhe apareceu, a porta 69 para Toronto-Canadá.

Mal as portas se abriram, esbarrou-se com algo parecido a um muro. Esbardalhou-se. Quando se recompôs, reparou que tinha embatido num homem possante, fardado e com uns grandes olhos azuis… “Pronto! Estás desgraçada. Fardas e olhos azuis, dois componentes aos quais não consegues resistir. Aguenta firme, Lolita, firme como uma mulher crescida” pensava ela ainda meio anestesiada, mas deixando esboçar um pequeno e ténue sorriso.

Ele sorriu. O seu sorriso revelava alguma malícia ao vê-la assim atrapalhada. Ela inevitavelmente corou. Raios, não costumava corar, mas corou e muito. Ele estava a gostar do seu embaraço.

– Ola, chamo-me Pedro Sassetti, comandante Sassetti para ti (sorrindo de brincadeira) então, e tu quem és, és a nova hospedeira? – Perguntou ele com uma voz quente e extremamente bem colocada, que lhe fez rosar ainda mais a cara.

– Não… eu sou a Lola, e estou de viagem para casa dos meus tios no Canada, … um pouco perdida dira…. – respondeu ela de tom baixo e até um pouco envergonhado.

– Então enganou-se na porta, tem de dar a volta, não pode entrar por aqui, lamento.

– Oh…Sério!! – Não dá mesmo para ir consigo até ao avião? … por favor….é que já não aguento mais tanta correria…. Por favor!! Hoje já quase que bati no taxista, depois na menina do check in, para não dizer que acabo de me esbardalhar mesmo a sua frente, e o senhor sorriu, que eu bem vi, olhe que isso é feio, muito feio. – disse-lhe ela de dedo em riste como que tentando dominar o seu embaraço.

Ele sorriu, olhou-a de alto a baixo como que a observar. Ela fez questão de deixar o seu corpo se pronunciar para seu deleite, (ela é tramada, raios) e ele acabou de aceder ao seu pedido, depois disto não lhe poderia dizer que não.

– Olhe, não sei o que tenho na cabeça, nunca fiz tal coisa antes, mas venha daí, se alguém lhe perguntar é a nossa nova hospedeira e por isso mesmo ainda não tem a sua identificação.

Chegados ao avião, e depois de todos se sentarem, ela foi instalada num lugar livre em executiva, mesmo atrás do coque pit.

“Raios, tenho que voar sempre assim, que maravilha de lugar.” – Pensava ela enquanto se recostava.

Alguns minutos passados e estavam no ar, recostou-se, deitou-se no banco, e acabou por adormecer.

Ela estava cansadissima, as horas seguintes foram de ócio, se serviram alguma refeição, ea não deu conta, dormia que nem um anjo.

Passadas algumas 3 horas, talvez, não tenho bem preciso esse espaço temporal, ela é acordada com um chamar meigo mas firme: “Menina, menina, acorde p.f, o comandante Sassetti mandou chama-la, por favor acompanhe-me”

Meio macambuzia lá abriu os olhos ao chamamento da hospedeira, ao qual ela repetiu, “o comandante Sassetti pergunta se gostaria de se juntar a ele no cockpit”, sem pensar muito no assunto disse que sim.

-Venha, sente-se aqui ao pé de mim, mas p.f não toque em nada. – Disse lhe o comandante perante a sua presença ainda bastante ensonada.

-Então está a ser boa a viagem? – Insistiu na esperança de uma resposta que ela tardava em lhe dar.

-Está a ser opima, muito obrigado pela sua simpatia – respondeu-lhe.

Viajar no cockpit é uma delícia, os instrumentos do avião parecem infindáveis, mas a vista desimpedida é uma maravilha só ao alcance de alguns. Ela estava maravilhada, mas não era a única,  há muito que o comandante a olhava de alto a baixo, como que a desafia-la, a aprecia-la, como que a deliciar-se naquele corpo de mulher madura.

Ela sabia-o, também ela há muito tinha reparado nele, deixou que a sua saia subisse um pouco, embora de forma discreta. Ele corou um pouquinho, mas não desviou o olhar. Ela, sem o olhar diretamente, conseguia imagina-lo a morder o lábio de tesão.

Ela estava tremula, o seu corpo parecia dormente, na sua mente vagueavam já imagens que a faziam suar.

À medida que a viagem avançava, mais avançava o comandante com insinuações nada discretas, às quais ela tentava resistir como podia. Estavam próximos, muito próximos. O comandante tinha finalmente perdido a timidez e a sua mão acariciava agora as pernas da sua convidada fazendo-a tremer de tesão só de imaginar o que se poderia seguir.

Sem reservas, e após alguns minutos, já aquela mão grande estava alojada na sua vulva quente e húmida, e os seus dedos atrevidos a tocarem-lhe freneticamente. Ela estava em transe. “Como é que isto poderia ter acontecido?” – Pensava

Ela estava doida de tesão. O comandante não estava mais calmo, ela conseguia ver já o seu membro bem pronunciado nas suas calças. Tocou-lhe, estava duro, estremeceram os dois. Deixou-se ficar, apertou-o, acariciou-o, até que inevitavelmente o sacou para fora das calças para de uma vez, e sem qualquer aviso ou pedido de permissão, o abocanhar por inteiro, fazendo o comandante soltar um gemido bem alto.

Nesta atura, há muito que o piloto automático estava ligado, o comandante tomava agora conta da sua vulva com a sua língua sedenta, isto depois de lhe ter subido de uma vez a saia e de lhe ter rasgado a cuequinha sem lhe pedir.

Ela estava em transe. Ele doido de tesão, de tal forma que o seu membro rasgava agora a sua vulva de forma frenética enquanto ela enlouquecia em espasmos dada a quantidade de orgasmos que aquele espadaúdo lhe acabava de proporcionar.

Ela queria mais. Ele também. Ela sentava-se agora em cima dele, agora era ela que o dominava, que loucura, ela sentada em cima de um pauzão daqueles em pleno voo, raio de sorte, pensava ela enquanto cavalgava aquele membro duro que a deixava doida ao seu passar.

Ele estava ainda mais doido do que ela, voltou-a, e de uma vez, fez deslizar o seu membro naquele rabinho empinado escondendo-o por completo. Ela gritou, de certeza que alguém na executiva ouviu, ela não se importou, estava possuída, queria mais, ele também, não parou, a cadência estava agora bem forte, ambos sabiam que não aguentariam muito mais.

“Vem-te” …. “vem-te caral****……” “dá-me o que é meu”…. Gritava ela sem reservas nem pudores no meio dos seus gemidos tresloucados que ecoavam agora por todo o avião.

Ele não se fez rogado, puxou-a pelos cabelos, colocou a sua boca em posição e com o membro bem apertado na sua mão, deixou que jorrasse todo o seu leitinho para a sua cara e para sua boca, com ela incrédula de tanto tesão.

Quando aterraram em Toronto, há muito que ela havia recuperado o sono no seu lugar. Quando acordou, deu por ela a pensar, “será que aconteceu mesmo?” “Não terá sido isto mais um sonho?”

Mas a sua vulva encharcada e o seu ânus dorido, não lhe deixava lugar para duvidas, ela tinha realizado mais uma das suas muitas fantasias.

E estava feliz.

 

Lola Dolores & pSassetti #69Letras 16.05.2017